Mercado fechará em 4 h 12 min
  • BOVESPA

    116.734,37
    +599,91 (+0,52%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.660,59
    +230,84 (+0,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,38
    +2,75 (+3,29%)
     
  • OURO

    1.734,40
    +32,40 (+1,90%)
     
  • BTC-USD

    20.101,28
    +735,27 (+3,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,17
    +10,74 (+2,41%)
     
  • S&P500

    3.780,37
    +101,94 (+2,77%)
     
  • DOW JONES

    30.233,99
    +743,10 (+2,52%)
     
  • FTSE

    7.087,40
    +178,64 (+2,59%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.992,21
    +776,42 (+2,96%)
     
  • NASDAQ

    11.648,25
    +362,50 (+3,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1443
    +0,0704 (+1,39%)
     

Brasil pode dobrar participação da mineração no PIB em 5 anos, diz ministro

O ministro de Minas e Energia do Brasil, Adolfo Sachsida

(Reuters) - O ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, disse que o Brasil pode dobrar a participação da mineração no PIB em cinco anos por meio de novos marcos regulatórios e atração de investimentos, segundo nota divulgada pela organização da Expo & Congresso Brasileiro de Mineração 2022, aberta nesta segunda-feira.

Sachsida afirmou que é "plenamente factível" a participação sair dos atuais 2,4% para 4,8%, mediante o aprimoramento da segurança jurídica e da previsibilidade no setor.

"Quando verificamos as grandes diferenças entre Austrália e Canadá na comparação com o Brasil, acredito que as maiores inovações que podemos fazer estão nos nossos marcos legais. São marcos que muitas vezes não estimulam investimentos privados e a pesquisa geológica", disse Sachsida, acrescentando que há áreas no Brasil que estão há 30 anos paradas, sem pesquisa.

O ministro citou o tempo médio de 14 anos entre o pedido de um direito de lavra até o início da atividade como um dos graves problemas da mineração no país e lembrou que a transição energética exigirá grande quantidade de minerais.

(Por Rafaella Barros)