Mercado abrirá em 32 mins
  • BOVESPA

    119.920,61
    +356,17 (+0,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.934,91
    +535,11 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,28
    -0,43 (-0,66%)
     
  • OURO

    1.819,00
    +3,30 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    56.403,86
    -1.424,04 (-2,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.466,68
    -4,74 (-0,32%)
     
  • S&P500

    4.201,62
    +34,03 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    34.548,53
    +318,19 (+0,93%)
     
  • FTSE

    7.120,38
    +44,21 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.626,75
    +29,00 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3826
    +0,0160 (+0,25%)
     

Brasil pode comprar milho de EUA e Ucrânia após isenção de tarifa, diz ABPA

Ana Mano
·1 minuto de leitura
Milho é descarregado em unidade de Iowa

Por Ana Mano

SÃO PAULO (Reuters) - Os Estados Unidos e a Ucrânia poderão fornecer milho ao Brasil após o anúncio pelo governo de uma isenção de tarifas sobre as importações do cereal, disse a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) nesta terça-feira.

A entidade afirmou também ter solicitado ao governo autorização para compras de variedades de milho transgênico dos Estados Unidos não aprovados no Brasil, em caso de necessidade emergencial. Tal autorização seria apenas para importação de milho a ser usado na fabricação de ração.

Segundo a ABPA, devido aos altos preços do milho, principal matéria-prima da alimentação animal, a indústria de carnes procura alternativas, incluindo o trigo para compor a dieta de frangos e suínos.

Na segunda-feira, ao divulgar a suspensão da alíquota aplicada aos embarques provenientes de países de fora do Mercosul, o Ministério da Agricultura indicou que busca conter os preços internos dos grãos, pressionados pela valorização das commodities nos mercados externos.

Segundo o ministério, a medida que zera a Tarifa Externa Comum (TEC) do Mercosul deverá entrar em vigor sete dias após a publicação da resolução, o que ainda não ocorreu.

A isenção vale ainda para soja, óleo e farelo, segundo a pasta.