Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.556,83
    +638,88 (+1,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Brasil perde chance de combater sonegação via paraísos fiscais, diz secretária da OCDE

·4 minuto de leitura
***ARQUIVO*** BRASILIA, DF, BRASIL  25-09-2012, 11h30: Zayda Bastos Manatta. (Foto: Sergio Lima/Folhapress
***ARQUIVO*** BRASILIA, DF, BRASIL 25-09-2012, 11h30: Zayda Bastos Manatta. (Foto: Sergio Lima/Folhapress

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Brasil está perdendo a oportunidade de elevar o rigor contra a sonegação dos mais ricos ao remover da reforma do Imposto de Renda a regra que fecha o cerco ao uso de paraísos fiscais. A visão é de Zayda Manatta, chefe do Secretariado de Assuntos Tributários da OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico) e ex-economista sênior do FMI (Fundo Monetário Internacional).

O endurecimento nas regras estava no projeto de lei do governo que altera o Imposto de Renda --mas foi retirado na nova versão, escrita em parceria entre o ministro Paulo Guedes (Economia) e o relator, deputado Celso Sabino (PSDB-PA).

O artigo 6º do projeto determinava a taxação dos recursos de pessoas físicas brasileiras alocados em empresas estrangeiras (as chamadas offshore), quando sediadas em paraísos fiscais. A cobrança seria anual, mesmo se o dinheiro não fosse trazido ao Brasil.

Atualmente, indivíduos não estão sujeitos a esse tipo de cobrança. "É uma brecha na legislação brasileira, pois quem tem capacidade de investir em um país de tributação favorecida não vai aplicar diretamente, e sim por meio daquele país", afirma Manatta, que também é servidora licenciada da Receita Federal.

Ela afirma que a retirada da regra favorece a desigualdade tributária. "Isso abre uma possibilidade de planejamento tributário muito grande e desigual, porque é muito mais favorável [para os mais ricos] do que para o indivíduo que tem capacidade menor de se globalizar", diz.

"Tudo o que o sistema deve evitar é tratar de forma diferente situações assemelhadas. E, se for beneficiar alguém, tem que ser o pequeno."

Há pelo menos R$ 50,4 bilhões em dinheiro de brasileiros em contas no exterior. O volume se refere aos recursos existentes em todas as jurisdições externas (não apenas paraísos fiscais), mas pode ser muito maior porque diz respeito somente ao capital declarado à Receita Federal.

Dados mais abrangentes do Banco Central apontam a existência de recursos em volume significativamente maior. De acordo com a autoridade monetária, 60,4 mil pessoas físicas residentes no Brasil tinham US$ 192,6 bilhões em ativos externos ao fim de 2019 (quase R$ 1 trilhão). Também nesse caso, o número diz respeito somente às quantias declaradas.

A Receita Federal considera paraíso fiscal o local que tributa a renda com alíquota inferior a 20%. Além disso, também entra na lista o lugar que protege o sigilo sobre a composição societária das empresas.

Entre os mais de 60 integrantes da relação, estão Ilhas Cayman, Aruba, Bahamas, Bermudas, Irlanda, Líbano e Emirados Árabes Unidos.

O endurecimento é recomendado pela OCDE, que desde 2015 sugere maior rigor da legislação para taxar o acionista (seja pessoa física, seja jurídica), independentemente da distribuição, pelos lucros obtidos por entidades controladas em territórios com regime fiscal privilegiado.

"Não ter essa regra favorece muito o planejamento tributário agressivo e deixa essa brecha aberta. Quem não tem acesso a esse tipo de arranjo vai ser mais tributado", diz Manatta.

A regra é adotada por países como Estados Unidos, Canadá e França, com diferenças em cada caso.

Alguns governos preferem ter uma postura mais flexível e tributar com mais rigor apenas recursos offshore que servem a investimentos não ligados a atividades produtivas (como um serviço, comércio ou indústria) e sim a rendimentos financeiros --como juros, por exemplo. A desvantagem de seguir um modelo de flexibilização como esse seria a dificuldade para estabelecer um cálculo preciso.

De qualquer forma, o avanço da tecnologia e da globalização da economia torna mais relevante o endurecimento, na visão de Manatta. "É muito fácil colocar recursos em paraíso fiscal, é uma operação online e não envolve custos elevados", afirma.

Estimativa da OCDE com dados de 2019 aponta que, em todo o mundo, mais de € 10 trilhões (R$ 60,8 trilhões) são mantidos por residentes em empresas fora de seus respectivos países por meio de 84 milhões de contas.

A OCDE não obriga seus membros a adotar a taxação dos recursos de pessoas e empresas em paraísos fiscais, mas recomenda a tributação independentemente da distribuição como uma medida de boas práticas para evitar a erosão da base tributária e a transferência de recursos ao exterior.

Na época das discussões, o governo brasileiro participou dos debates da OCDE. A própria Receita Federal afirmou no projeto de lei que a regra era sugerida pela entidade.

Para Sabino e Guedes, era necessário remover as regras do projeto para facilitar as discussões.

"Retiramos boa parte de medidas que não estava relacionada com os objetivos iniciais, para discutir num momento futuro", afirmou o deputado na quinta-feira (22) em evento promovido pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) e pela Febraban (Federação Brasileira de Bancos).

"Combate à elisão [estratégia contábil para fugir de impostos], ao diferimento e até mesmo a sonegação são importantes mecanismos, mas vamos deixar para discutir em uma matéria relacionada a esse assunto", disse, sem citar quando as regras serão discutidas.

Guedes já comentou publicamente que a discussão sobre as empresas estrangeiras complicaria os debates --sem especificar por quê. "Ah, 'porque tem que pegar as offshore' e não sei quê. Começou a complicar? Ou tira ou simplifica. Tira. Estamos seguindo essa regra", disse o ministro.

O colunista está em férias

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos