Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.783,90
    +21,20 (+1,20%)
     
  • BTC-USD

    49.088,57
    +65,08 (+0,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Brasil ocupa 75º lugar em ranking de competitividade para atrair e desenvolver talentos

·3 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Brasil está em 75º lugar em um ranking global que mede a competitividade de talentos a partir de fatores como capacidade de desenvolver pessoas para o mercado de trabalho, retê-las e atraí-las.

Na nona posição no Global Talent Competitiveness Index (Índice Global de Competitividade de Talentos), entre as nações de América Latina e Caribe, o Brasil figura do meio para o final da lista (de 134 países) devido à combinação de baixa performance na educação interna e na capacidade de atrair talentos de fora.

Apesar de ocupar posições mais razoáveis em subíndices como "acesso a oportunidade de crescimento" (55º lugar) e "nível de sustentabilidade" (53º), o déficit de segurança e educação afetam a capacidade de o país competir em força de trabalho qualificada.

O ranking anual é produzido pela escola de negócios francesa Insead em parceria com a consultoria Accenture e o Portulans Institute. O estudo parte de pesquisas qualitativas de executivos do Fórum Econômico Mundial aliadas a dados de fontes como Banco Mundial, Unesco e OCDE. Ele é auditado por um centro de pesquisa da Comissão Europeia.

Com 17 países da Europa nas 25 primeiras posições, o ranking é encabeçado por Suíça, Cingapura e Estados Unidos. A China está em 37º lugar.

Fora da Europa, destacam-se Austrália (11º), Canadá (13º), Nova Zelândia (15º), Japão (20º), Israel (21º) e os Emirados Árabes Unidos (25º). A região de América Latina e Caribe é, pela primeira vez, representada no top 40, com o Chile em 33º lugar.

Um dos destaques do estudo, que tem ênfase na pandemia de Covid, é que os governos passam a ter novo papel na formação de profissionais para os próximos anos, com pacotes financeiros de recuperação e estímulo ao mercado de trabalho. Além disso, as desigualdades internacionais voltam a se agravar, com uma lacuna separando os mais competitivos dos países na lanterna.

O estudo indica que as "divisões digitais", ou seja, a separação de países que conseguiram movimentar a economia digitalmente dos que não conseguiram, serão um dos propulsores da desigualdade global.

Segundo o Banco Mundial, a pobreza aumentou em todo o mundo durante a pandemia e mais 125 milhões de pessoas vivem com menos de US$ 1,90 (R$ 10) por dia.

Outro apontamento é uma provável recuperação em K: trabalhadores empregados em setores não afetados pela crise, como tecnologia, encontrariam mais oportunidades do que os trabalhadores de áreas já sob pressão, como de viagens e entretenimento.

"Todavia, não se deve subestimar a capacidade de as empresas (e às vezes de setores inteiros) se reinventarem quando confrontadas com grandes crises. Inovação e agilidade podem desempenhar um papel crítico na reparação do ramo inferior do K", diz o estudo.

A pesquisa também traz um ranking de cidades "prósperas" ao trabalho, que considera variáveis como PIB per capita, facilidade de fazer negócios, produção de patentes, universidades, segurança e bem-estar. A primeira posição ficou com San Francisco, nos EUA, seguida de Genebra (Suíça), Boston (EUA), Zurique (Suíça) e Luxemburgo (Luxemburgo).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos