Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.158,36
    -617,11 (-1,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Brasil já soma 152 milhões de pessoas com acesso à internet

·3 minuto de leitura

Promovida pelo Comitê Gestor da Internet do Brasil (CGI.br), a pesquisa TIC Domicílios 2020 (Edição COVID-19 – Metodologia Adaptada) estima que há, hoje, no Brasil, 152 milhões de usuários de internet. Isso corresponde a 81% da população do país com 10 anos ou mais — pela primeira vez, foi identificada uma proporção maior de domicílios com acesso à rede (83%) do que de usuários individuais.

Apresentado nesta quarta-feira (18), o estudo demonstra aumento de 7 e 12 pontos percentuais, respectivamente, em relação à edição anterior. As 5.590 entrevistas foram feitas por telefone e a partir de coleta presencial (a estratégia foi adaptada para restringir o deslocamento de entrevistadores diante da necessidade de distanciamento social) entre outubro de 2020 e maio de 2021. Com isso, as margens de erro da edição atual são maiores e os efeitos das mudanças na metodologia não são integralmente conhecidos.

Alexandre Barbosa, gerente do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), aponta que, durante a pandemia, a internet foi mais demandada em razão da migração de atividades essenciais para o ambiente digital. “Os resultados mostram a resiliência da rede em cenário de crise sanitária.” O principal tipo de conexão domiciliar foi a banda larga fixa (68%), com aumento das conexões por cabo ou fibra óptica.

Imagem: Reprodução/Envato/DragonImages
Imagem: Reprodução/Envato/DragonImages

O aumento da proporção de usuários de internet foi maior entre moradores de áreas rurais (de 53% para 70%), entre cidadãos com 60 anos ou mais (de 34% para 50%), entre indivíduos com ensino fundamental (de 60% para 73%), entre mulheres (de 73% para 85%) e nas classes D/E (de 57% para 67%). “Houve aumento do uso da rede entre os mais vulneráveis”, diz Barbosa. “Mesmo assim, os indicadores apontam a persistência das desigualdades no acesso, com prevalência de usuários de classes mais altas, escolarizados e jovens.”

Em todos os segmentos analisados, houve crescimento da proporção de domicílios com acesso à internet. Nas classes C e D/E, as diferenças foram as mais relevantes: 80% a 91% na C e 50% a 64% na D/E. Paralelamente, as diferenças regionais recuaram. Já a presença de computador (desktop, portátil ou tablet) nas residências avançou: de 39% para 45% — a tendência dos últimos anos era de queda.

Televisão x computador

Pela primeira vez, a proporção de acesso à internet pela televisão (44%) na série histórica da pesquisa foi maior que a de acesso pelo computador. O resultado é 7 pontos percentuais acima do registrado em 2019. “Esse avanço está associado ao consumo de cultura e entretenimento, que, durante a pandemia, passou a ser reportado por uma parcela maior da população”, analisa Barbosa.

A pesquisa reforça o aumento na realização de atividades online durante a pandemia. Mesmo assim, ainda há desigualdades no aproveitamento dessas oportunidades: usuários da classe C, por exemplo, fizeram mais cursos a distância e estudaram mais por conta própria, mas ainda em proporções inferiores aos da classe A.

Imagem: Reprodução/Envato/Rawpixel
Imagem: Reprodução/Envato/Rawpixel

Os serviços públicos online também foram mais procurados (42%) e usados (37%) em 2020. A concentração maior, entretanto, ocorreu em áreas urbanas entre usuários com mais escolaridade e das classes A e B. Outro setor com crescimento foi o das transações financeiras no ambiente digital: o aumento foi de 10 pontos percentuais (de 33% para 43%) em relação a 2019. O crescimento mais expressivo ocorreu nas classes C e D/E.

Marcio Migon, coordenador do CGI.br, aponta que a divulgação da pesquisa reforça o compromisso do órgão com a produção de estatísticas para embasar políticas públicas. “A despeito das restrições que caracterizaram o período, os dados apresentados são únicos, pois permitem compreender as dinâmicas de acesso e de uso da rede durante a pandemia”, finaliza.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos