Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.786,30
    +2.407,38 (+2,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.736,48
    +469,28 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,24
    +0,33 (+0,73%)
     
  • OURO

    1.809,10
    +4,50 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    19.057,55
    -62,75 (-0,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,43
    +9,68 (+2,62%)
     
  • S&P500

    3.635,41
    +57,82 (+1,62%)
     
  • DOW JONES

    30.046,24
    +454,97 (+1,54%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.967,35
    +379,15 (+1,43%)
     
  • NIKKEI

    26.681,51
    +515,92 (+1,97%)
     
  • NASDAQ

    12.166,25
    +90,25 (+0,75%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4016
    +0,0047 (+0,07%)
     

Brasil já enfrenta segunda onda da COVID-19, alerta pesquisador da USP

Fidel Forato
·4 minuto de leitura

Com aumento de casos da COVID-19 no Brasil, após um período de queda, cientistas e autoridades de saúde apontavam para uma possível segunda onda do novo coronavírus (SARS-CoV-2) por aqui. Agora, dados levantados pelo Portal COVID-19 Brasil confirmam esse cenário, segundo o pesquisador Domingos Alves, do Laboratório de Inteligência em Saúde (LIS) da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), em Ribeirão Preto.

"O Brasil já está na segunda onda da COVID-19", defende o pesquisador para a BBC. Desde o início da epidemia no país, há cerca de oito meses, Alves acompanha os dados da infecção e é um dos responsáveis pelas análises estatísticas do Portal. Com base nessa avaliação, é que se torna possível afirmar que o Brasil vive uma nova onda de contágios por coronavírus, como a Europa e os Estados Unidos.

Alta de casos da COVID-19 pode levar a segunda onda da infecção (Imagem: Reprodução/ Laura Dewilde/ Unsplash)
Alta de casos da COVID-19 pode levar a segunda onda da infecção (Imagem: Reprodução/ Laura Dewilde/ Unsplash)

Taxa de transmissão acima de 1 no Brasil

Sua avaliação de que o Brasil está vivendo, assim como os Estados Unidos e a Europa, uma nova onda de contágios se baseia na evolução da taxa de transmissão do coronavírus — também conhecido como Rt ou taxa R — no país. Com base no aumento de novos casos, essa taxa é calculada e permite estimar quantas pessoas saudáveis são contaminados por um doente. Por exemplo, se o índice é superior a 1, a doença está se expandindo. Quando está abaixo, o contágio está se retraindo.

Segundo o Observatório de Síndromes Respiratórias da Universidade Federal da Paraíba, a Rt brasileira da COVID-19 era calculada em 1,12, na segunda-feira (16). De forma simplificada, cada 100 pessoas contaminadas transmitem o coronavírus para outras 112. Em seguida, esses 112 novos doentes vão contaminar mais 125 pessoas e, dessa forma, a epidemia vai se espalhando exponencialmente.

Na mesma data, a Rt estava acima de 1 em 20 brasileiros (Acre, Alagoas, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins) e no Distrito Federal. No entanto, a situação sera mais crítica no Paraná, onde a taxa chegou a 1,62.

Dados apontam que Brasil deve enfrentar uma segunda onda da COVID-19 (Imagem: Reprodução/ Macau Photo Agency/Unsplash)
Dados apontam que Brasil deve enfrentar uma segunda onda da COVID-19 (Imagem: Reprodução/ Macau Photo Agency/Unsplash)

Além disso, o pesquisador Alves também analisou a média móvel da Rt, que é calculada com base nos 14 dias anteriores. "É importante a gente olhar a média móvel porque isso indica que não se trata apenas de uma flutuação do índice, mas que há uma tendência concreta de alta ou queda", explica Alves.

Ainda na segunda-feira, o Rt móvel do país era calculado em 1,06. Na mesma data, a média móvel da Rt estava acima de 1 em 16 estados brasileiros (Acre, Alagoas, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina e São Paulo). Novamente, o maior índice foi estimado no Paraná (1,34).

Infelizmente, a média móvel da Rt brasileiro está acima de 1 desde o dia 11 de novembro. Ou seja, há quase uma semana. Vale lembrar que esse índice não ultrapassava esse patamar desde o dia 10 de agosto. Por isso, é possível afirmar que a pandemia voltou a crescer no Brasil.

Além dessa pesquisa brasileira, o monitoramento do Imperial College de Londres, no Reino Unido, divulgado nesta terça-feira (17) sobre o Brasil também aponta para o Rt maior que 1. De acordo com os dados levantados, essa taxa é estimada em 1,1 no país. Nesse cenário, a epidemia também volta a crescer.

Segunda onda diferente da Europa

Segunda onda da COVID-19 no Brasil deve ser diferente da europeia (Imagem: Reprodução/ Gabriella Clare/ Unsplash)
Segunda onda da COVID-19 no Brasil deve ser diferente da europeia (Imagem: Reprodução/ Gabriella Clare/ Unsplash)

Na pandemia de COVID-19, tanto a Europa quanto os Estados Unidos passam por uma segunda onda da infecção e os números de casos têm se intensificado nas últimas semanas. "Nossa segunda onda vai ser mais parecida com a dos EUA do que com a da Europa, porque a Europa conseguiu controlar de verdade a transmissão, que voltou com força depois do verão, quando as pessoas foram viajar e trouxeram novas cepas do vírus para casa", detalha Alves.

Conforme avalia o pesquisador da USP, nem os EUA e nem o Brasil alcançaram um real controle da pandemia. Como resultado, é possível observar uma sobreposição entre as duas ondas. "Nunca conseguimos controlar a transmissão comunitária", explica Alves. Para o controle da COVID-19, as autoridades de saúde precisão contornar a questão da subnotificação.

"Desde meados de setembro, o problema da subnotificação vem se agravando, porque estão sendo feitos menos testes, e, entre os que são realizados, são cada vez menos os de PCR, que são mais precisos, e mais testes rápidos, que dão muito falso negativo", defende Alves. Dessa forma, os números mais reais da COVID-19 serão traduzidos em aumento de internações por causa da infecção nos hospitais. A aposta para evitar a necessidade de medidas drásticas e o comprometimento dos sistemas de saúde (público ou privado) deve ser a testagem em massa e o rastreamento das pessoas com quem os infectados entraram em contato.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: