Mercado abrirá em 7 h 11 min
  • BOVESPA

    122.964,01
    +1.054,98 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.655,29
    -211,86 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,40
    +0,12 (+0,18%)
     
  • OURO

    1.829,60
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    57.334,07
    +2.432,31 (+4,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.555,08
    +1.312,40 (+540,80%)
     
  • S&P500

    4.152,10
    -36,33 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.269,16
    -473,66 (-1,36%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    28.076,32
    +62,51 (+0,22%)
     
  • NIKKEI

    28.211,98
    -396,61 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    13.277,75
    -68,25 (-0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3332
    -0,0122 (-0,19%)
     

Brasil ganha primeiro fundo de criptomoedas que mescla DeFi com ETF

Paulo Alves
·2 minuto de leitura

A Vitreo anunciou nesta quinta-feira (15) o primeiro fundo de investimentos do Brasil que mescla ativos de finanças descentralizadas (DeFi) com fundo negociado em bolsa (ETF) de criptomoedas.

O Vitreo Bitcoin DeFi FIA é um produto voltado para o varejo que aloca 20% em tokens ligados ao ecossistema DeFi e os outros 80% em ETFs de cripto, como o HASH11, que estreia na B3 em 26 de abril após adiamento, e o QBTC11, da gestora QR Asset.

Segundo a Vitreo, o fundo de criptomoedas une duas teses de investimento e permite diversificar a carteira “com um ativo de risco com alto potencial lucrativo”.

Ao lançar mão de ETF de criptomoedas, a Vitreo disponibiliza um fundo que oferece maior exposição a criptoativos do que produtos convencionais para o varejo sem infringir a norma da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

bitcoin etf
bitcoin etf

No entanto, ao analisar o regulamento a pedido da reportagem, o consultor e ex-analista da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Isac Costa, conta que o fundo não investe, necessariamente, a totalidade dos recursos em cripto por conta de regras específicas de ETFs.

“Desse modo, a exposição a criptoativos não é necessariamente de 100% do patrimônio líquido, mas sim uma ponderação do percentual alocado em criptoativos para cada fundo investido (ETF e fundos da Vitreo no exterior que investem em DeFi no limite de 20%)”, explica o especialista.

Segundo Isac Costa, ainda que os ETFs representem fundos de índice em criptoativos, como é o caso dos produtos da Hashdex e da QR Asset, o acesso aos investidores de varejo é admitido em virtude do papel do gestor em selecionar esses ativos, em conformidade com as exigências regulatórias.

O Vitreo Bitcoin DeFi FIA tem investimento inicial de R$ 1 mil, taxa de administração de 0,05% ao ano e não tem taxa de performance. Gerido pela Vitreo, o fundo de investimento é administrado pelo BTG Pactual, que recentemente também lançou um produto próprio que investe em Bitcoin.

O artigo Brasil ganha primeiro fundo de criptomoedas que mescla DeFi com ETF foi visto pela primeira vez em BeInCrypto.