Mercado fechará em 3 h 30 min
  • BOVESPA

    109.707,90
    -424,63 (-0,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.044,95
    -155,64 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,27
    -0,44 (-0,96%)
     
  • OURO

    1.812,10
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    17.183,00
    -796,17 (-4,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    335,65
    -34,86 (-9,41%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.365,74
    -25,35 (-0,40%)
     
  • HANG SENG

    26.819,45
    +149,70 (+0,56%)
     
  • NIKKEI

    26.537,31
    +240,45 (+0,91%)
     
  • NASDAQ

    12.188,75
    +36,50 (+0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3254
    -0,0123 (-0,19%)
     

Brasil ganha fôlego de dois anos para dívida atingir 100% do PIB, diz IFI

BERNARDO CARAM
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A IFI (Instituição Fiscal Independente), órgão ligado ao Senado, revisou projeções econômicas para o Brasil e agora estima que a dívida bruta do governo atingirá 100% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2024, o que significa um fôlego de dois anos em relação à projeção anterior. Em junho, a previsão era que esse patamar seria alcançado já em 2022. Apesar da melhora nas estimativas de indicadores, o Relatório de Acompanhamento Fiscal do órgão, divulgado nesta segunda-feira (16), afirma que a trajetória da dívida pública ainda é "muito preocupante", com necessidade de forte ajuste fiscal. "Não há hoje um horizonte de equilíbrio da relação dívida/PIB. Isso é o que gera mais apreensão dos agentes econômicos. Se você não tem um horizonte do patamar que a dívida vai [chegar] e quando ela vai se estabilizar, o custo de fazer dívida nova fica maior, não tem jeito", disse o diretor-executivo da IFI, Felipe Salto. Hoje, a dívida bruta do governo geral está em 90,6% do PIB. Em cenário base, considerado mais provável pelos pesquisadores, depois de atingir 100% do PIB em 2024, a dívida seguirá em trajetória de alta, chegando a 112,4% do PIB em 2030. Nas estimativas da IFI, o governo federal seguirá registrando déficits primários até 2030. Se a projeção se concretizar, serão 17 anos consecutivos de rombo fiscal. Segundo o relatório, o governo precisa fazer um ajuste fiscal de 3,9% do PIB, valor considerado alto, apenas para que a dívida pública continue estável em 100% do PIB a partir de 2024. "Tudo indica que vai haver ainda longos anos de crescimento da dívida, salvo uma devolução de recursos do BNDES [à União] ou outros fatores atípicos, mas a trajetória é muito ruim. Seja pelo lado do gasto ou pela receita, a sustentabilidade da dívida depende da recuperação do resultado primário", afirmou Salto. AS PROJEÇÕES DA IFI PARA A ECONOMIA BRASILEIRA Dívida pública - A dívida bruta deve atingir 100% do PIB em 2024. A ultima projeção, de junho, apontava que esse patamar seria alcançado em 2022 Rombo fiscal - O déficit primário em 2020 foi revisado de R$ 877,8 bilhões para R$ 779,8 bilhões. Estimativa é que rombos sejam registrados até 2030, totalizando 17 anos consecutivos de déficit no governo federal PIB - A estimativa para o PIB de 2020 foi revisada de -6,5% para -5,0% Inflação - Com alta nos preços, a previsão de inflação neste ano passou de 1,4% para 3,0% Desemprego -A taxa média de desemprego deve alcançar 13,5% da força de trabalho em 2020 e 16,1% em 2021