Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.496,21
    -2.316,66 (-2,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.463,26
    -266,54 (-0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,91
    -0,59 (-0,65%)
     
  • OURO

    1.760,30
    -10,90 (-0,62%)
     
  • BTC-USD

    21.032,48
    -2.341,45 (-10,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    504,88
    -36,72 (-6,78%)
     
  • S&P500

    4.228,48
    -55,26 (-1,29%)
     
  • DOW JONES

    33.706,74
    -292,30 (-0,86%)
     
  • FTSE

    7.550,37
    +8,52 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    19.773,03
    +9,12 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.930,33
    -11,81 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.250,00
    -273,25 (-2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1885
    -0,0253 (-0,49%)
     

Brasil ganha 1,4 milhão de trabalhadores informais em 2 anos

Brasil ganha 1,4 milhão de trabalhadores informais em 2 anos. Foto: Gustavo Minas/Getty Images.
Brasil ganha 1,4 milhão de trabalhadores informais em 2 anos. Foto: Gustavo Minas/Getty Images.
  • Brasil ganhou 1,42 milhão de trabalhadores informais entre o primeiro trimestre de 2020 e os primeiros três meses deste ano;

  • Entre janeiro e março de 2022, a quantidade de informais atingiu 38,203 milhões;

  • Sudeste e Nordeste são as regiões com a maior quantidade de trabalhadores informais.

Com a renda média dos trabalhadores brasileiros despencando nos últimos anos, muitos recorreram à informalidade para pagar as contas no final do mês.

Segundo cálculos feitos pelos pesquisadores do Ibre-FGV (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas), Janaína Feijó e Paulo Peruchetti, em cima de dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua, o Brasil passou a ter 1,42 milhão de trabalhadores informais entre o início da pandemia, no primeiro trimestre de 2020, e o mesmo período de 2022.

Leia também:

Entre janeiro e março deste ano, a quantidade de informais atingiu 38,203 milhões. É o maior número de pessoas nessa situação desde o começo da série histórica, em 2015.

Segundo especialistas, mesmo com o mercado de trabalho voltando ao patamar pré-pandemia, a qualidade de funções criadas diminuiu.

Para Feijó, "muitos desses novos postos foram gerados por meio do trabalho informal, é uma recuperação impulsionada por funções que exigem menor escolaridade e geram rendimentos menores”.

A contagem incluiu trabalhadores do setor privado sem carteira assinada e empregadores e trabalhadores autônomos sem CNPJ.

Os dois últimos anos também apresentaram disparidades regionais, com o aumento de 527,1 mil empregados informais nos estados do Sudeste e 370,7 mil no Nordeste. São as regiões que abarcam a maior quantidade de trabalhadores ocupados.

*Com informações do jornal Folha de S. Paulo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos