Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.597,95
    -3.188,48 (-2,88%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.001,62
    -296,58 (-0,57%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,69
    -0,73 (-0,88%)
     
  • OURO

    1.783,90
    -1,00 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    62.693,62
    -3.097,28 (-4,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.484,69
    -49,96 (-3,26%)
     
  • S&P500

    4.549,78
    +13,59 (+0,30%)
     
  • DOW JONES

    35.603,08
    -6,26 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.190,30
    -32,80 (-0,45%)
     
  • HANG SENG

    26.017,53
    -118,49 (-0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.708,58
    -546,97 (-1,87%)
     
  • NASDAQ

    15.434,00
    +56,50 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5780
    +0,0584 (+0,90%)
     

Brasil finalmente avança na vacinação contra a covid

·4 minuto de leitura
Mulher recebe uma dose da CoronaVac em um posto de vacinação drive-thru em Brasília em 13 de setembro de 2021 (AFP/EVARISTO SA)

O Brasil se tornou um dos países com a maior taxa de vacinação contra o coronavírus do mundo, após um início tardio e caótico que continua afetando o presidente Jair Bolsonaro.

Apesar de ter um sistema de imunização em massa mundialmente famoso, o país de 213 milhões de habitantes iniciou sua campanha em janeiro, várias semanas depois dos Estados Unidos, grande parte dos países europeus e outros como Argentina e Chile.

A campanha começou lenta e com interrupções, mas engrenou em seguida e logo os números de mortos caíram de uma média diária de mais de 2.000 em junho para menos de 600.

Hoje, o segundo país do mundo mais afetado pelo vírus, com mais de 588 mil mortos, já está vacinando adolescentes e aplicando terceiras doses em muitos estados.

Segundo dados do portal Our World in Data, o Brasil tornou-se o quarto país que mais administrou doses (214 milhões), atrás da China, Índia e Estados Unidos, e também o terceiro que mais vacina diariamente, com um média de um milhão e meio de unidades nos últimos sete dias.

- À frente dos EUA -

"A aceleração foi observada a partir de maio-junho, com a chegada e o fornecimento muito mais coerente das vacinas", explica à AFP José David Urbáez, presidente da Sociedade de Infectologia do Distrito Federal.

O Brasil decidiu focar na primeira dose, com intervalos maiores para a segunda para preservar os estoques. Nos últimos três meses, o número de brasileiros vacinados com a primeira dose quase triplicou, chegando a 67,6% da população, percentual até um pouco superior ao dos Estados Unidos (63,4%) e da Argentina (63,8%), segundo balanço da AFP.

Os totalmente imunizados representam em torno de 36%, número ainda muito inferior ao de outros países, mas que coloca o Brasil na terceira posição entre os dez mais populosos.

Por enquanto, quatro vacinas estão sendo administradas. As duas mais utilizadas são AstraZeneca e Coronavac, ambas com produção no Brasil, mas também há imunizantes da Pfizer e Janssen (dose única).

Um ponto a favor é que no Brasil o movimento antivacinas é minoritário: a grande maioria dos brasileiros quer se vacinar, segundo as últimas pesquisas.

Esses números não apagam, no entanto, a gestão caótica da pandemia por Bolsonaro, um cético do vírus que chegou a dizer que quem tomasse a vacina Pfizer poderia se tornar "um jacaré".

- "Demorou muito" -

Em um posto de saúde em Brasília, que imunizava adolescentes de 14 anos na quarta-feira, a analista judicial Paula Vasconcelos da Silva disse à AFP que se sentiu "aliviada" após vacinar a filha, mas lamentou que a campanha "demorou muito".

Sentimento compartilhado por Mônica de Barros, funcionária aposentada de 57 anos: “Centenas de milhares de mortes poderiam ter sido evitadas se tivesse uma ação mais firme e menos negacionista” de Bolsonaro, expressou ela após receber a segunda dose.

A falta de planejamento na compra das vacinas e as tensões diplomáticas derivadas das polêmicas declarações de Bolsonaro, em particular sobre a China, pesaram sobre a importação das primeiras doses e dos insumos para fabricá-las.

Se o governo tivesse começado a negociar vacinas em meados do ano passado, "em maio ou junho o Brasil já teria vacinado a população necessária", explica Urbáez.

- Sem créditos eleitorais?

Bolsonaro, que busca a reeleição em 2022, tem uma centena de pedidos de impeachment contra ele e sua popularidade no nível mais baixo (24%), devido à pandemia, mas também à inflação crescente e ao alto desemprego.

"Acredito que o avanço da vacinação terá consequências muito positivas para o Brasil, como a redução do número de mortes e mais possibilidades de reabertura de lojas e estabelecimentos comerciais, mas que dificilmente isso significará aumento da popularidade do presidente”, explicou o cientista político Maurício Santoro à AFP.

Além disso, Bolsonaro é alvo de várias investigações judiciais, uma delas por não denunciar suspeitas de corrupção na compra de vacinas contra a covid.

Uma comissão do Senado investiga supostas omissões do governo no combate à pandemia, cujo relatório pode significar um novo golpe para o presidente.

Em uma charge publicada meses atrás pelo Diário Catarinense, Bolsonaro aparece em uma sala de vacinas com a pergunta: “Tem vacina contra CPI?"

jm/app/gm/jc

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos