Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,34
    +0,06 (+0,10%)
     
  • OURO

    1.710,80
    -5,00 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    50.925,28
    +2.618,05 (+5,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.018,46
    +30,37 (+3,07%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.222,73
    -336,37 (-1,14%)
     
  • NASDAQ

    12.622,75
    -59,00 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7725
    -0,0062 (-0,09%)
     

Brasil tem menor perda de vagas em dezembro desde 1995 e fecha o ano com criação de vagas

·2 minuto de leitura
Homem mostra carteira de trabalho no centro de São Paulo

BRASÍLIA (Reuters) - O Brasil fechou 67.906 vagas formais de trabalho em dezembro, na menor perda para o mês desde 1995, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgado nesta quinta-feira pelo Ministério da Economia.

Apesar do saldo negativo em dezembro, que obedece a efeito sazonal, no ano, marcado por grave crise econômica em meio à pandemia da Covid-19, houve criação líquida de 142.690 vagas --resultado de 15.166.221 admissões contra 15.023.531 desligamentos com ajustes até dezembro do ano passado.

Em 2020, o emprego formal teve um amparo do programa BEM, lançado pelo governo em meio à pandemia e que autorizou as empresas a suspenderem provisoriamente os contratos de trabalho ou reduzirem as jornadas e os salários dos empregadores, que receberam uma compensação parcial em pagamentos do governo.

No ano, foram fechados 20,1 milhões de acordos no BEM, contemplando cerca de 9,8 milhões de trabalhadores e 1,5 milhão de empresas, segundo o Ministério da Economia.

O setor de serviços, o mais prejudicado por medidas de distanciamento social adotadas na pandemia, foi o único que fechou vagas formais de emprego no ano passado no acumulado do ano (-132.584). A construção foi o setor campeão de criação líquida de vagas (+112.174), seguido da indústria (+95.588), agropecuária (+61.637) e comércio (+8.130).

O resultado de dezembro veio melhor do que as expectativas de analistas consultados pela Reuters, que previam o fechamento de 115 mil postos de trabalho formais no mês passado. O fechamento líquido de vagas no mês foi o mais baixo desde 1995 (-42.328) e ficou bem inferior ao registrado em dezembro de 2019 (-307.311 vagas).

Os dados do emprego com carteira assinada contrastam com os números do mercado de trabalho geral, incluindo os informais, que apontam para um desemprego historicamente elevado, de 14,1%, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) também divulgados nesta quinta.

(Por Isabel Versiani e Luana Maria Benedito)