Mercado fechado

Brasil faz 1ª transação com debênture por meio de blockchain

Brasil faz 1ª transação com debênture por meio de blockchain
Brasil faz 1ª transação com debênture por meio de blockchain

O Brasil teve a primeira negociação com debênture por meio de blockchain, o que pode abrir caminho para o uso da tecnologia de registro distribuído para captação de recursos no mercado de capitais.

SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAM

BAIXE O APP DO YAHOO FINANÇAS (ANDROID / iOS)

A transação foi realizada na segunda-feira por meio da Piemonte, gestora carioca de recursos, com debênture emitida por ela própria e subscrita em ambiente fechado.

Leia também

A emissão de 66 milhões de reais foi distribuída em 440 títulos de 150 mil reais cada a cinco investidores qualificados, portanto sem esforço de colocação no mercado.

A iniciativa acompanha movimentos similares recentes feitos no exterior. O Banco Mundial emitiu por meio do blockchain 110 milhões de dólares australianos, distribuída entre investidores na própria Austrália.

O espanhol Santander emitiu em setembro 20 milhões de dólares por meio do blockchain, seguindo o que já fizera meses antes o francês Société Générale, numa emissão equivalente a 100 milhões de euros.

Emissores de dívida e investidores têm estado de olho no blockchain, uma plataforma de registros compartilhados, como meio de eliminar intermediários, cortar custos e burocracia para emissão e negociação de títulos no mercado de capitais.

A tecnologia ganhou visibilidade por ser a infraestrutura por trás do bitcoin, a mais famosa dentre as criptmoedas.

Diferentes das moedas virtuais, que têm provocado forte reação de reguladores bancários e de mercado ao redor do mundo, o blockchain vem sendo gradualmente implementado por instituições financeiras e por uma série de grandes companhias devido ao potencial de dar maior transparência e de reduzir custos.

No caso da Piemonte, o projeto foi feito em associação com a fintech norte-americana Horizon Globex, a primeira a realizar emissão privada de ações por meio do blockchain.

Segundo o italiano Alessandro Lombardi, fundador e presidente da Piemonte, a gestora adaptou a tecnologia à legislação brasileira, aplicando-a para a emissão privada de debênture.

"Foi o início de um caminho. Mas no futuro, com uma regulação por parte do Banco Central e da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), esse pode ser excelente instrumento para as empresas se financiarem por meio do mercado de capitais", disse.

Esta é a segunda emissão de debêntures da Piemonte. A primeira, em 2017, foi feita de forma tradicional.