Mercado abrirá em 1 h 49 min
  • BOVESPA

    115.882,30
    -581,77 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.262,01
    -791,55 (-1,76%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,67
    -0,18 (-0,34%)
     
  • OURO

    1.842,20
    -6,70 (-0,36%)
     
  • BTC-USD

    31.586,84
    +464,24 (+1,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    637,05
    +9,39 (+1,50%)
     
  • S&P500

    3.750,77
    -98,85 (-2,57%)
     
  • DOW JONES

    30.303,17
    -633,87 (-2,05%)
     
  • FTSE

    6.479,71
    -87,66 (-1,33%)
     
  • HANG SENG

    28.550,77
    -746,76 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.197,42
    -437,79 (-1,53%)
     
  • NASDAQ

    12.963,00
    -142,50 (-1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5480
    +0,0372 (+0,57%)
     

Brasil exporta recorde de carne bovina em 2020, diz Abrafrigo; vê alta de 5% para 2021

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - As exportações de carne bovina do Brasil registraram um recorde de 2,016 milhões de toneladas em 2020, alta de 8% em relação ao ano anterior, impulsionada pelos fortes embarques à China, disse nesta sexta-feira a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), acrescentando que espera que o ritmo dos embarques permaneça positivo em 2021, com possível avanço de 5% em volume.

Segundo a entidade, com dados compilados junto à Secretaria de Comércio Exterior (Secex), as receitas com os embarques do produto (in natura e processado) tiveram em 2020 aumento de 11% na comparação anual, atingindo 8,4 bilhões de dólares.

"Num ano de recordes... a China, através de suas importações pelo continente e pela cidade estado de Hong Kong, foi a grande responsável por este crescimento", disse a Abrafrigo em comunicado, destacando que o país asiático foi responsável por 58,6% do volume exportado pelo Brasil e por 60,7% da receita obtida pelo país com os embarques.

No total de 2020, a China importou sozinha 1,18 milhão de toneladas de carne bovina brasileira, avaliadas em 5,1 bilhões de dólares, apontou a associação.

Segundo maior cliente do Brasil em 2020, o Egito adquiriu 127.953 toneladas, queda de 23% frente ao ano anterior, enquanto o terceiro maior comprador da proteína local, o Chile, registrou aquisições de 90.403 toneladas, recuo de 18,2%.

Considerando somente o mês de dezembro, as exportações de carne bovina somaram 168.156 toneladas, queda de 3% na comparação com mesmo mês do ano anterior, com receita de 741 milhões de dólares, recuo de 12%.

As exportações recordes em 2020 refletem a firme demanda por commodities do Brasil, puxada pela China, mesmo diante dos impactos da pandemia de Covid-19. Números divulgados nesta semana pelo Ministério da Economia mostraram que o país registrou máximas de volumes embarcados de commodities como petróleo, açúcar, carnes e café no ano.

Os resultados também acompanharam a forte desvalorização do real frente ao dólar ao longo de 2020, o que tornou as commodities brasileiras mais competitivas nos mercados internacionais.

Para 2021, a Abrafrigo disse esperar um acréscimo de 5% nos embarques de carne bovina do Brasil, com impulso de uma melhora na situação econômica mundial em função da vacina contra a Covid-19 e a retomada do consumo de alimentação fora de casa.

"A Abrafrigo espera a manutenção do ritmo comprador da China e alguma elevação nas importações por parte dos países da União Europeia, países árabes e de novos mercados", afirmou a entidade.

(Por Gabriel Araujo)