Mercado abrirá em 2 h 29 min
  • BOVESPA

    112.486,01
    +1.576,40 (+1,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.684,86
    +1.510,80 (+3,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,13
    +0,58 (+0,72%)
     
  • OURO

    1.791,80
    +31,90 (+1,81%)
     
  • BTC-USD

    17.095,94
    +226,57 (+1,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,73
    +4,03 (+1,01%)
     
  • S&P500

    4.080,11
    +122,48 (+3,09%)
     
  • DOW JONES

    34.589,77
    +737,24 (+2,18%)
     
  • FTSE

    7.584,25
    +11,20 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    18.736,44
    +139,21 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    28.226,08
    +257,09 (+0,92%)
     
  • NASDAQ

    12.010,00
    -32,25 (-0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4083
    +0,0118 (+0,22%)
     

Brasil é um dos países mais caros para comprar iPhone

40% do preço do iPhone brasileiro é composto por impostos (Getty Image)
40% do preço do iPhone brasileiro é composto por impostos (Getty Image)
  • iPhone é um dos celulares mais famosos do mundo;

  • No Brasil, ele pode custar até 7 salários mínimos;

  • A alta do dólar é outro agravante para encarecer o item.

Muitas pessoas são consumidores fiéis dos celulares produzidos pela Apple. Apesar da popularidade, essa não é uma das opções mais em conta no Brasil.

Uma prova disso é um levantamento feito pela Statista. A consultoria mapeou o preço de alguns modelos da versão 13 ao redor do mundo, constatando que o Brasil é o país onde o iPhone é mais caro. No país, ele pode custar, algumas vezes, o dobro dos Estados Unidos.

No caso de um iPhone 13, por exemplo, no Brasil, uma pessoa teria que "desembolsar o equivalente a mais de sete salários mínimos para ter o equipamento”, disse a empresa à Forbes. De acordo com uma pesquisa da Hellosafe, 40% do preço do iPhone brasileiro é composto por impostos. A empresa ainda aponta que a alta do dólar é outro agravante para encarecer o item.

Assine agora a newsletNo México, os celulares da marca chegam a custar US$ 200 a mais que nos Estados Unidos. O mesmo acontece na Espanha, onde a diferença para o país sede da fabricante é pequena.

Já na Rússia, o smartphone custa R$ 3816, nos Estados Unidos, R$ 4756 seguido por Japão, R$ 4808, Canadá, R$ 4966 e Hong Kong, R$ 4969.

Dados da consultoria apontam ainda que desde que foi lançado em 2007, já vendeu mais de US$ 1,5 trilhão. Apenas em 2021, a receita da fabricante foi de US$ 192 bilhões apenas com a venda de celulares. Esse valor, segundo o levantamento, está à frente dos faturamentos de Nike, Disney e Coca-Cola juntas.

“Quando o primeiro iPhone foi colocado à venda, em junho de 2007, ele preencheu todos os requisitos que um lançamento demandava: hype, euforia e longas filas para experimentar a novidade. Nos últimos 15 anos, esse mesmo iPhone se tornou o que muitos consideram o produto de maior sucesso da história”, diz o relatório.