Mercado fechará em 6 h 40 min
  • BOVESPA

    114.142,31
    +434,55 (+0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.734,04
    -67,64 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,76
    +1,65 (+1,87%)
     
  • OURO

    1.776,90
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    23.532,21
    -96,25 (-0,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    560,91
    -11,91 (-2,08%)
     
  • S&P500

    4.274,04
    -31,16 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    33.980,32
    -171,69 (-0,50%)
     
  • FTSE

    7.534,05
    +18,30 (+0,24%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.502,00
    +8,75 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2462
    -0,0130 (-0,25%)
     

Brasil é o líder mundial do ranking do crescimento das compras online

Pandemia da Covid-19 resultou na adaptação de muitas lojas para venderem seus produtos de maneira virtual (Getty Creative)
Pandemia da Covid-19 resultou na adaptação de muitas lojas para venderem seus produtos de maneira virtual (Getty Creative)
  • Brasil lidera o ranking mundial de crescimento das vendas online

  • Pandemia da Covid-19 e índice de penetração de compras online contribuíram para o cenário

  • O brasileiro foi o latino-americano que mais fez compras online durante a pandemia

Um levantamento da CupomValido, divulgado nesta terça-feira (02), comprovou que o Brasil lidera o ranking mundial de crescimento das vendas online: 22,2% somente no ano de 2022.

A pesquisa também fez projeções igualmente animadoras para os próximos três anos. Entre 2022 e 2025, a expectativa de crescimento das compras online no Brasil seria de 20,73%. Esse índice é quase duas vezes maior que a média mundial (11,35%) e acima de países notadamente desenvolvidos como o Japão (14,7%), os Estados Unidos (14,55%) e a França (11,68%).

De acordo com a CupomValido, pelo menos dois fatores contribuíram para o crescimento das vendas online no Brasil: o primeiro seria a pandemia da Covid-19, que resultou na adaptação de muitas lojas para venderem seus produtos de maneira virtual e que resultou consequentemente na variação dos métodos de pagamento instantâneos, como o Pix, e de entregas rápidas. Já o segundo seria o índice de penetração de compras online, ainda tímido no Brasil.

O levantamento citou ainda algumas porcentagens de compras online feitas em alguns países nos últimos 12 meses. No caso do Reino Unido, esse índice foi de 84%. Nos Estados Unidos e no Japão, a taxa foi de 77%. Na Alemanha, a taxa foi de 74%.

Outro ponto de vista

O brasileiro foi o latino-americano que mais fez compras online durante a pandemia, segundo o estudo Barometro Covid-19, realizado pela consultoria Kantar. Dos mais de onze mil entrevistados em 21 países latino-americanos, 24% passaram a consumir pela internet. A média de outras regiões é de 27%.

Com o intuito de investigar hábitos mantidos durante a pandemia da Covid-19, a pesquisa apontou que, enquanto 28% do restante dos latino-americanos mantiveram suas atividades físicas, apenas 14% dos brasileiros permaneceram se exercitando.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos