Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.590,20
    -1.478,34 (-1,36%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.170,37
    +444,41 (+0,88%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,55
    -0,46 (-0,64%)
     
  • OURO

    1.801,90
    +3,90 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    17.253,24
    +445,13 (+2,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    406,66
    +11,97 (+3,03%)
     
  • S&P500

    3.958,04
    +24,12 (+0,61%)
     
  • DOW JONES

    33.701,67
    +103,75 (+0,31%)
     
  • FTSE

    7.472,17
    -17,02 (-0,23%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.626,75
    +117,25 (+1,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4915
    +0,0251 (+0,46%)
     

Brasil é o 2º país com mais jovens que não estudam nem trabalham

Dados indicam o alto risco dessa população se distanciar cada vez mais do mercado de trabalho (Getty Image)
Dados indicam o alto risco dessa população se distanciar cada vez mais do mercado de trabalho (Getty Image)
  • 35,9% das pessoas de 18 a 24 anos não trabalham nem estudam, diz pesquisa

  • Brasil é o segundo país com mais jovens sem emprego ou cursando alguma área

  • O número equivale ao dobro da média registrada em países membros da OCDE

Após passar por uma grande onda de desemprego e cortes na educação, o Brasil foi eleito o segundo país com a maior proporção de jovens, com idade entre 18 e 24 anos que não conseguem nem trabalho nem continuar os estudos.

De acordo com o relatório Education at a Glance 2022, da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), divulgado nesta segunda-feira (3), 35,9% dessa população estão nessa situação.

A pesquisa indica que esse número equivale ao dobro da média registrada em países membros da OCDE, fixada em 16,6% de pessoas dessa faixa etária.

O relatório, que avaliou a situação do ensino superior e emprego dos 38 países membros da OCDE, indica que a África do Sul é o único local com maior proporção que o Brasil, com 46,2%, enquanto a Holanda tem apenas 4,6% dos jovens que não estudam ou trabalham.

Das pessoas que que estão sem emprego e sem trabalhar no Brasil, 5,1% estão nessa situação há mais de um ano. Isso representa alto percentual de pessoas excluídas do processo de transição dos estudos para a vida profissional. A pesquisa aponta que os dados indicam o alto risco da população se distanciar cada vez mais do mercado de trabalho.

"Esse grupo, dos que não trabalham e não estudam, deveria ser uma grande preocupação para os governos, já que alertam para uma situação negativa de desemprego e desigualdades sociais", analisa o relatório.