Mercado abrirá em 2 h 19 min
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,04
    +1,06 (+1,43%)
     
  • OURO

    1.748,70
    -3,00 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    43.826,86
    +824,67 (+1,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.091,38
    -11,68 (-1,06%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.067,10
    +15,62 (+0,22%)
     
  • HANG SENG

    24.208,78
    +16,62 (+0,07%)
     
  • NIKKEI

    30.240,06
    -8,75 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.275,00
    -43,75 (-0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2461
    -0,0095 (-0,15%)
     

Brasil e Holanda empatam jogo de seis gols, e Marta anota seu 13º em Olimpíadas

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - No jogo apontado como o mais difícil do Brasil na primeira fase das Olimpíadas de Tóquio, a seleção feminina de futebol empatou com a Holanda, atual campeã europeia e vice-campeã mundial, por 3 a 3.

Na estreia, ambas as equipes haviam goleado. O Brasil venceu a China, na quarta-feira (21), por 5 a 0. Já o time holandês bateu a frágil Zâmbia por 10 a 3. No outro jogo do grupo disputado neste sábado (24), China e Zâmbia empataram em 4 a 4.

Com isso, Brasil e Holanda só dependem de si para garantir classificação. Na próxima terça-feira (27), o Brasil pega a Zâmbia às 8h30. No mesmo horário, a Holanda enfrenta a China.

Para a segunda partida, a técnica Pia Sundhage resolveu manter o mesmo time da estreia, jogando num 4-4-2 mais compacto buscando inibir o rápido ataque holandês, escalado por Sarina Wiegman no 4-3-3 e buscando explorar jogadas pelas pontas do campo.

E, se no primeiro jogo da Olimpíada a trave e a goleira Bárbara haviam feito milagres para as chinesas não abrirem o placar, a sorte abandonou a seleção feminina logo no início do duelo com a Holanda. Aos 2 minutos, Miedema recebeu na entrada da área, girou sobre a marcação de Érika e tocou no canto de Bárbara.

O Brasil reagiu rápido. Quatro minutos depois, em lance confuso na área, a arbitragem marcou pênalti para a seleção brasileira. No entanto, anulou a decisão quatro minutos depois, após consultar o VAR. O empate veio aos 15 minutos. Duda cruzou para Debinha, que finalizou duas vezes para marcar.

A seleção brasileira dominou o primeiro tempo, com 60% da posse de bola. No entanto, esse predomínio não foi efetivo no ataque. O Brasil teve 7 escanteios e insistiu nas bolas cruzadas na área, sem levar muito perigo. A seleção também conseguiu 4 finalizações, mas apenas uma foi na direção do gol, aproveitada por Debinha, artilheira do Brasil na era Pia, com 14 gols em 20 jogos.

Para a segunda etapa, a treinador promoveu três alterações, com a entrada das meias Angelina e Andressa Alves e a atacante Ludmila para as saídas de Formiga, Duda e Bia Zaneratto, que tinha feito um primeiro tempo apagado. A atacante do Atlético de Madrid, mudaria a sorte do jogo de fato, deu mais velocidade e força ao ataque do Brasil.

E, no momento em que o Brasil estava melhor no jogo, a Holanda voltou a ficar na frente. Aos 13 minutos, após cruzamento na área, Miedema cabeceou fraco, e a goleira Bárbara falhou.

Como aconteceu no primeiro tempo, a seleção brasileira buscou o empate logo depois. Em polêmico lance, Van der Gragt derrubou Ludmila na entrada da área, e a arbitragem marcou pênalti. Marta cobrou de esquerda para marcar seu terceiro gol nos Jogos de Tóquio. Ela está a um gol de igualar Cristiane como maior artilheira do futebol em Olimpíadas.

Aos 22 minutos, em erro da zagueira Nouwen, que recuou fraco, Ludmila recuperou a bola, passou pela goleira Van Veenendaal e colocou o Brasil pela primeira vez na frente do jogo.

Ludmila seria decisiva novamente, mas para o outro lado. Foi dela a falta que resultou no empate holandês, aos 33 minutos. Miedema cobrou com perfeição, sem chances para Bárbara. A partir daí, as duas equipes se arriscaram menos.

HOLANDA

Van Veenendaal; Lynn Wilms, Stefanie Van der Gragt, Nouwen e Dominique Janssen; Jackie Groenen, Jill Roord e Danielle de Donk; Van de Sanden (Beerensteyn, aos 21/2ºT), Miedema (Pelova, aos 42/2ºT) e Martens. T.: Sarina Wiegman

BRASIL

Bárbara; Bruna Benites, Érika, Rafaelle e Tamires; Formiga (Ludmila, no intervalo), Andressinha, Duda (Angelina, no intervalo) e Marta (Geyse, aos 29/2ºT); Bia Zaneratto (Andressa Alves, no intervalo) e Debinha. T.: Pia Sundhage

Local: Estádio de Miyagi, em Miyagi (Japão)

Árbitra: Kate Jacewicz (Austrália)

Cartões amarelos: Stefanie Van der Gragt, Jill Roord (Holanda); Ludmila (Brasil)

Gols: Miedema, aos 2/1ºT (1-0), Debinha, aos 15/1ºT (1-1), Miedema, aos 13/2ºT (2-1), Marta, aos 18/2ºT (2-2), Ludmila, aos 22/2ºT (2-3), Dominique Janssen, aos 33/2ºT (3-3)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos