Mercado abrirá em 8 h 37 min

Brasil discute com mais 5 países plano de pesquisa para combater epidemias

Rafael Bitencourt

O ministro da Ciência, Tecnologia, Comunicações e Inovações vai se reunir com colegas dos EUA, Canadá, Índia, Austrália e Reino Unido Na próxima semana, o governo brasileiro discutirá com autoridades de cinco países as medidas que poderão ser tomadas na área de ciência e tecnologia para ajudar a combater o avanço de epidemias, entre elas a do coronavírus (Covid-19). A primeira interação será feita pelo ministro da Ciência, Tecnologia, Comunicações e Inovações, Marcos Pontes, por meio de teleconferência, com ministros e técnicos dessa área nos Estados Unidos, Canadá, Índia, Austrália e Reino Unido.

A expectativa do governo brasileiro é de promover a troca de informações sobre como a ciência pode auxiliar as autoridades públicas a definir estratégias e medidas para enfrentar o surto de viroses emergentes.

No início do mês, o MCTIC anunciou a criação da Rede Viroses Emergentes, a RedeVírus, para integrar iniciativas de pesquisa envolvendo cientistas e laboratórios no Brasil. Na ocasião, o ministério reuniu especialistas e representantes do Ministério da Saúde, além de integrantes de entidades científicas e unidades de pesquisa, que definiram o combate ao coronavírus e à influenza como foco inicial dos trabalhos.

A RedeVírus, coordenada pelo MCTIC, deve atuar somente no campo da pesquisa científica, auxiliando e complementando ações do Ministério da Saúde. O programa utilizará, segundo informou o ministério, a infraestrutura já existente nos órgãos federais e nas unidades de pesquisa. Pelo menos, 12 pesquisadores especialistas em viroses receberão a missão de transformar a base de conhecimento científico do país em resultados práticos para enfrentar os surtos de epidemias.

A primeira reunião da RedeVírus contou com a participação de representes da Academia Brasileira de Ciências (ABC), da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), da Universidade de São Paulo (USP), da Fundação Oswaldo Cruz, da Sociedade Brasileira de Virologia e dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs).