Mercado fechará em 1 h 28 min
  • BOVESPA

    108.428,01
    +2.131,83 (+2,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.831,04
    -58,62 (-0,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,08
    +0,32 (+0,38%)
     
  • OURO

    1.807,40
    +11,10 (+0,62%)
     
  • BTC-USD

    63.230,39
    +2.765,31 (+4,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.511,87
    +1.269,19 (+522,99%)
     
  • S&P500

    4.569,16
    +24,26 (+0,53%)
     
  • DOW JONES

    35.760,36
    +83,34 (+0,23%)
     
  • FTSE

    7.222,82
    +18,27 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    26.132,03
    +5,10 (+0,02%)
     
  • NIKKEI

    28.600,41
    -204,44 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    15.499,75
    +158,75 (+1,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4532
    -0,1276 (-1,94%)
     

Brasil deve ter menor crescimento entre principais economias em 2022, diz órgão da ONU

·5 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O crescimento da economia brasileira deve desacelerar de 4,9% em 2021 para 1,8% em 2022, resultados abaixo da média mundial e que colocarão o país, no próximo ano, com o pior desempenho entre as economias mais relevantes do planeta.

Os números são parte do Relatório de Desenvolvimento e Comércio de 2021 da Unctad (Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento), que cita, no caso brasileiro, incertezas políticas e a crise energética como fatores negativos para o crescimento.

Em relatório divulgado em julho, o FMI (Fundo Monetário Internacional) também colocava o Brasil com o pior desempenho projetado para 2022 em uma lista de 16 países.

Nas últimas semanas, muitos analistas revisaram as suas projeções, indicando um cenário ainda pior que o traçado pela Unctad. Algumas instituições já estimam um crescimento inferior a 1% para o Brasil no ano que vem.

A Unctad estima que o crescimento global desacelere de 5,3% neste ano para 3,6% em 2022, deixando a renda mundial ainda 3,7% abaixo de onde estaria caso fosse mantida a tendência pré-pandemia.

Isso representa uma perda de renda cumulativa esperada de cerca de US$ 13 trilhões no triênio 2020-2022. A produção mundial só encontraria o nível projetado a partir da tendência anterior à pandemia em 2030.

Para a instituição, políticas tímidas ou, pior ainda, retrocessos podem puxar o crescimento ainda mais para baixo. A questão é mais grave ao se considerar que o crescimento na década passada, pós-crise de 2008/2009, já foi o menor desde 1945.

Nesse contexto, o Brasil tem uma performance inferior à média mundial, como já mostraram dados divulgados do ano passado e projeções de diversas instituições multilaterais feitas neste ano. O país já teve uma queda do PIB (Produto Interno Bruto) em 2020 de 4,1%, superior à média mundial (-3,5%).

Em um trecho do relatório em que trata especificamente do Brasil, a instituição diz que, apesar do pesado custo humano da pandemia no Brasil, a economia contraiu apenas 4,1% em 2020 em função das políticas fiscal e monetária adotadas.

Em 2021, a recuperação de preços das commodities e uma redução gradual do estímulo fiscal deve ajudar o PIB a crescer 4,9%.

A Unctad afirma ainda que, pelo lado positivo, a vacinação e a demanda por serviços tendem a se acelerar no segundo semestre de 2021. Do lado negativo, a escassez de fornecimento de energia tem empurrado a inflação para cima, o que está forçando o Banco Central a elevar a taxa básica de juros.

“[Essas] forças negativas e incertezas políticas associadas à próxima eleição presidencial do Brasil devem pesar sobre as perspectivas em 2022, com o crescimento desacelerando para apenas 1,8%”, afirma a instituição.

AUSTERIDADE EM SEGUNDO PLANO

A desaceleração do crescimento mundial no próximo ano pode ser mais acentuada do que o esperado, principalmente em países mais pobres, se os legisladores perderem a coragem e atenderem a apelos equivocados por medidas de austeridade, diz a entidade.

De acordo com a Unctad, os formuladores de políticas econômicas dos países avançados “ainda não acordaram” para o tamanho do choque provocado pela pandemia e para sua persistência nos países em desenvolvimento.

Restrições fiscais, falta de autonomia monetária e de acesso a vacinas estão segurando a recuperação desses países e ampliando o abismo entre eles e as economias avançadas, ameaçando inaugurar outra década perdida.

“Sem políticas mais ousadas que reflitam um multilateralismo revigorado, a recuperação pós-pandemia carecerá de equidade e deixará de enfrentar os desafios do nosso tempo”, afirma a secretária-geral da Unctad, Rebeca Grynspan.

Nesse cenário, ela afirma que o crescimento econômico será um luxo desfrutado cada vez mais por um pequeno número de pessoas privilegiadas.

As propostas da Unctad para uma recuperação menos desigual incluem uma combinação de alívio e até cancelamento, em alguns casos, da dívida de países mais pobres; uma reavaliação do papel da política fiscal na economia global; maior coordenação de políticas em economias sistemicamente importantes; e apoio ousado para países em desenvolvimento no acesso a vacinas.

REPENSAR A ECONOMIA

Richard Kozul-Wright, diretor da divisão de estratégias de globalização e desenvolvimento da Unctad, afirma que a pandemia criou uma oportunidade para repensar os princípios fundamentais da economia internacional, uma chance que foi perdida após a crise financeira global de 2008/2009.

Wright destaca iniciativas políticas dos Estados Unidos de aumento de gastos com infraestrutura e ampliação da proteção social, financiada por meio de mais tributação progressiva. “O próximo passo lógico é levar essa abordagem para o nível multilateral”, afirma.

Ainda de acordo com o relatório, aumentos de preços temporários causados por problemas de oferta e algumas pressões do lado da demanda podem se tornar desculpas para reverter as políticas necessárias para sustentar a recuperação nas economias avançadas.

Mesmo com uma década de massivas injeções monetárias dos principais bancos centrais, a inflação nesses países ficou sistematicamente abaixo de suas metas e, mesmo com a forte recuperação atual das economias avançadas, não há sinais de elevação sustentada dos preços, diz a Unctad.

A instituição alerta, no entanto, que o aumento dos preços dos alimentos pode representar uma séria ameaça às populações vulneráveis nos países do sul, já enfraquecidas financeiramente pela crise sanitária.

A Unctad estima que, até 2025, os países em desenvolvimento ficarão US$ 12 trilhões mais pobres por causa da pandemia. O fracasso na distribuição de vacinas pode retirar outro US$ 1,5 trilhão.

Segundo a instituição, uma recuperação menos desigual exigirá cooperação multilateral com políticas adicionais e transformações que vão muito além dos pacotes de resgate provocados pela pandemia Covid-19.

Privados da independência política e das vacinas que as economias avançadas consideram garantidas, muitos países em desenvolvimento estão enfrentando um ciclo de deflação e desespero, com uma década perdida se aproximando.

No relatório, a Unctad afirma também que a pandemia obrigou os países desenvolvidos a abandonar parte dos dogmas de 40 anos de política neoliberal para proteger vidas e fornecer meios de subsistência.

Sobre as lições trazidas pela crise atual, a instituição afirma que os países em desenvolvimento precisam de apoio para expandir seu espaço fiscal, que a recuperação depende do investimento público e que os bancos públicos e uma supervisão regulatória mais forte podem proporcionar um clima de investimento mais saudável.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos