Mercado abrirá em 8 h 20 min
  • BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,46
    +0,41 (+0,63%)
     
  • OURO

    1.686,50
    +8,50 (+0,51%)
     
  • BTC-USD

    53.793,64
    +3.231,42 (+6,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.085,55
    +61,34 (+5,99%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.719,13
    +88,61 (+1,34%)
     
  • HANG SENG

    28.924,92
    +384,09 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    28.920,04
    +176,79 (+0,62%)
     
  • NASDAQ

    12.436,50
    +139,25 (+1,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9718
    +0,0120 (+0,17%)
     

Brasil deve liderar 5G na América Latina até 2025, diz relatório da GSMA

Rui Maciel
·3 minuto de leitura

Estudo publicado pela GSM Association (GSMA) - entidade que representa os interesses das operadoras de redes móveis em todo o mundo - aponta que o Brasil deve liderar a adoção do 5G na América Latina até 2025. O relatório aponta que até o ano em questão, o país terá 18% da base total de conexões focadas na quinta geração de internet móvel, o que será o maior percentual da região.

A pesquisa da GSMA também prevê que o 5G responderá por quase 10% do número de conexões da América Latina até 2025. O leilão dos espectros para o 5G no Brasil está previsto para ocorrer ainda no primeiro semestre de 2021, mais precisamente entre abril e maio. Enquanto nosso país deve liderar a adoção em cinco anos, o México aparecerá na vice-liderança, com 12% do total de conexões no padrão na região. Na terceira colocação virá o Chile, com 8%, seguido pela Argentina (7%) e Colômbia e Peru (ambos com 6%).

América Latina responderá por quase 10% das conexões 5G até 2025 (Foto: Divulgação / GSMA)
América Latina responderá por quase 10% das conexões 5G até 2025 (Foto: Divulgação / GSMA)

4G ainda será dominante 

Mesmo com o 5G ganhando escala, o fato é que o 4G continuará sendo o padrão dominante na América Latina daqui cinco anos. Segundo o estudo da GSMA, a quarta geração de internet móvel saltará de 49% a 67% das conexões mobile na região. No Brasil, essa participação passará de 76% a 81%, com o 2G e o 3G praticamente desaparecendo.

O uso de smartphones em território brasileiro também ampliará o seu domínio. O relatório da GSMA aponta que participação deste tipo de aparelho saltará de 85% para 89% no país. Já na América Latina de forma geral, essa evolução será de 69% para 80%. O Brasil terá 175 milhões de smartphones até 2025, também liderando nesse quesito. O México, mais uma vez, vem na segunda colocação (92 milhões de aparelhos), seguindo pela Colômbia (54 milhões).

Pandemia impactou a indústria mobile

A GSMA afirma também que a pandemia de Covid-19 teve um impacto significativo nas finanças e no desempenho da indústria mobile em 2020. Segundo o estudo, as receitas diminuíram em vários mercados na América Latina, refletindo os descontos oferecidos pelas operadoras em serviços móveis para apoiar os consumidores durante o pandemia.

Outros fatores em jogo incluíram maior uso de conectividade de banda larga fixa durante o lockdown, uma
diminuição nas vendas de dispositivos, em parte devido ao fechamento de lojas, e uma redução nos gastos do consumidor com a desaceleração na atividade econômica, que levou à perda de empregos, principalmente no setor informal.

Mercados com alta proporção de clientes pré-pagos têm sido particularmente vulnerável a gastos reduzidos. Enquanto o crescimento da receita para a região como um todo deve permanecer com números positivos, a previsão é de que o mercado registre baixa de um dígito para o futuro, algo previsível, já que as economias continuarão a lutar com as consequências econômicas da pandemia.

O Brasil terá 185 milhões de smartphones até 2025 (Foto: Divulgação / GSMA)
O Brasil terá 185 milhões de smartphones até 2025 (Foto: Divulgação / GSMA)


Paradoxalmente, a Covid-19 pode aumentar a necessidade de políticas e reformas regulatórias para desbloquear o potencial do 5G na América Latina. Os principais recursos desse padrão, incluindo velocidades superiores e latência ultrabaixa, podem permitir soluções para empresas que buscam maneiras de impulsionar a produtividade pós-pandemia.

No setor de manufatura, por exemplo, a Covid-19 destacou vários desafios, como escassez de mão de obra em meio a viagens e restrições sociais, além da necessidade de maior visibilidade operacional, inclusive na cadeia de suprimentos. O 5G e redes privadas oferecem uma das muitas rotas para conectar operações aos processos nas fábricas.

Além da manufatura, há uma tendência crescente para a implantação de redes privadas em setores como mineração e serviços públicos. Em julho de 2020, a Nokia e a Telefónica Brasil negociaram com a mineradora Vale para fornecer uma rede LTE privada para a Mina de Carajás - a maior mina de minério de ferro do mundo, localizada na região norte do Brasil.

Enquanto isso, no Chile, o Departamento de Telecomunicações realizou uma consulta 5G para avaliar o interesse no potencial redes para empresas, visando a mineração, porto e os setores agrícola, industrial e de transporte.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: