Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.259,75
    -657,98 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,53 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,78
    -0,86 (-2,12%)
     
  • OURO

    1.903,40
    -1,20 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    13.283,57
    -28,55 (-0,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,05
    -1,40 (-0,54%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,09 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.860,28
    +74,63 (+1,29%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,65 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.516,59
    +42,32 (+0,18%)
     
  • NASDAQ

    11.669,25
    +19,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6639
    +0,0538 (+0,81%)
     

Brasil deve construir a maior fábrica de vacinas da América Latina

Fidel Forato
·2 minutos de leitura

Durante a emergência mundial da COVID-19, investimentos na produção de vacinas são ainda mais importantes, principalmente agora, que a população urge por uma vacina contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2). Nesse cenário, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro (Codin) assinaram acordo, na quinta-feira (17), para a construção da maior fábrica de vacinas da América Latina.

Com o nome de Complexo Industrial de Biotecnologia em Saúde, as instalações devem ocupar uma área de 580 mil metros quadrados em Santa Cruz, na zona oeste do Rio de Janeiro. Anualmente, o projeto poderá produzir até 120 milhões de frascos de vacinas e biofármacos.

Brasil deve ter o maior complexo para produção de vacinas da América Latina (Imagem: Reprodução/ Governo do Estado de São Paulo)
Brasil deve ter o maior complexo para produção de vacinas da América Latina (Imagem: Reprodução/ Governo do Estado de São Paulo)

Quais vacinas serão produzidas?

De forma geral, o novo acordo prevê que o complexo passe a ser responsável por toda a produção de imunizantes da Fiocruz. Além disso, serão produzidas vacinas contra meningite, hepatite e tríplice bacteriana, que atualmente são importadas para o Brasil.

No atual cenário da pandemia do coronavírus, é possível que o complexo também opere na produção de um imunizante, desde que a vacina contra a COVID-19 tenha segurança e eficácia comprovadas. No entanto, a previsão para o projeto ser concluído é apenas em 2023.

Impactos da maior fábrica de vacinas da América Latina

Conforme prevê a iniciativa, o complexo será composto por nove prédios e deve englobar setores de processamento, embalagem, armazenamento de matéria-prima e produtos finais, controle e garantia da qualidade, além de centrais para o tratamento de resíduos e efluentes.

De acordo com o presidente da Codin, Fábio Galvão, a iniciativa é importante para o desenvolvimento industrial do Rio de Janeiro. “Onde há uma indústria hoje, haverá outras chegando num futuro próximo, porque essas operações envolvem toda uma cadeia de produtores de insumos e fornecedores de materiais. Vamos reindustrializar o Estado, promovendo todo um ciclo virtuoso”, afirmou Galvão.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: