Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.291,59
    +413,06 (+0,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.934,21
    +259,38 (+0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,70
    +0,06 (+0,13%)
     
  • OURO

    1.844,60
    +3,50 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    19.453,72
    +504,82 (+2,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    382,19
    +7,79 (+2,08%)
     
  • S&P500

    3.666,72
    -2,29 (-0,06%)
     
  • DOW JONES

    29.969,52
    +85,73 (+0,29%)
     
  • FTSE

    6.490,27
    +26,88 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.491,25
    +29,00 (+0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2369
    -0,0829 (-1,31%)
     

Brasil deve assinar cartas de intenção com 5 empresas para possível compra de vacinas de Covid-19

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA (Reuters) - O Ministério da Saúde informou neste domingo que deverá assinar cartas de intenção não-vinculantes com cinco empresas para compra futura de vacinas, mas pontuou que a aquisição efetiva dependerá de autorização regulatória e incorporação ao SUS.

Segundo o ministério, foram realizadas reuniões ao longo da última semana com representantes da norte-americana Pfizer; com a Janssen, da Johnson & Johnson; com a indiana Bharat Biotech; com o Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF); e com a Moderna, também dos Estados Unidos.

Em nota à imprensa, o ministério afirmou que sua consultoria jurídica e seu corpo técnico estão analisando toda a documentação e verificando a melhor forma de contratação no "momento oportuno".

"A Saúde agora deverá assinar cartas de intenção não-vinculantes com as empresas para permitir uma futura aquisição de doses, conforme o escalonamento de entrega oferecido e após cumpridos os devidos protocolos, tais como o registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o estabelecimento de preço máximo pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (Cmed) e a recomendação de incorporação pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec)", afirmou.

O ministério disse que a definição dos grupos prioritários para posterior vacinação também dependerá de resultados finais dos estudos de fase 3 dos imunizantes.

Ainda de acordo com o ministério, o governo tem acordos contratuais para acesso a 142,9 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19, que poderão imunizar pelo menos um terço da população brasileira.

"Se tudo ocorrer da maneira planejada, em 2021, o Brasil já poderá produzir na Fiocruz de forma autônoma e com tecnologia nova mais 110 milhões de doses vacinas", acrescentou.

Até o momento, o governo do presidente Jair Bolsonaro vinha apostando principalmente na vacina em desenvolvimento pela Universidade de Oxford em parceira com o laboratório AstraZeneca, e já assinou um acordo para compra do imunizante e futura transferência de tecnologia para produção nacional pela Fiocruz.

Além das vacinas tratadas pelo Ministério da Saúde, o Instituto Butantan, ligado ao governo de São Paulo, tem acordo com a chinesa Sinovac para testagem e produção nacional da vacina em desenvolvimento CoronaVac.

(Por Marcela Ayres)