Mercado fechará em 2 h 35 min
  • BOVESPA

    113.162,03
    -902,33 (-0,79%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.261,52
    -202,75 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,16
    +0,86 (+1,17%)
     
  • OURO

    1.750,70
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.101,75
    -2.418,55 (-5,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.048,08
    -54,98 (-4,98%)
     
  • S&P500

    4.450,97
    +1,99 (+0,04%)
     
  • DOW JONES

    34.762,67
    -2,15 (-0,01%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.289,75
    -13,75 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2533
    +0,0283 (+0,45%)
     

Brasil dá recado contrário ao do governo Bolsonaro na abertura da Olimpíada

·2 minuto de leitura

A decisão do Comitê Olímpico do Brasil (COB) de só levar os porta-bandeiras do Time Brasil para a cerimônia de abertura da Olimpíada de Tóquio foi acertada do ponto de vista epidemiológico e elogiável pela mensagem que passa ao país. Numa pandemia marcada pelo negacionismo do próprio governo, que recusou vacinas e não produziu uma ampla campanha de informação das medidas sanitárias, como o uso correto de máscaras, ver apenas Bruninho e Ketleyn Quadros de Pff2 (o equipamento de proteção mais recomendado pelos especialistas) é um recado e tanto.

Representa a preocupação do COB com a pandemia. A entidade conseguiu vacinar, com doses doadas pelo Comitê Olímpico Internacional (COI), mais de 85% da delegação brasileira, e montou um protocolo, com a ajuda da Fiocruz, para reduzir ao máximo os riscos de contaminação nos Jogos. Um teste positivo para Covid-19 agora significa, praticamente, o fim do sonho olímpico. Pelas regras, o atleta contaminado fica afastado por até 10 dias.

Por isso, veio a decisão tomada só na quinta-feira de não levar nenhum atleta a não ser quem carregaria a bandeira brasileira. Apesar de o Estádio Olímpico ser um local aberto e a entrada de atletas respeitar o distanciamento social entre as delegações, há sempre o risco. Ainda mais numa edição que já viu alguns competidores fora dos Jogos por causa da contaminação pelo coronavírus já em solo japonês ou antes da viagem.

Tornou-se mais acertada ainda ao ver delegações completas, como a do Uruguai, e aglomeradas, como as da Argentina e da Rússia. Países tradicionais também optaram por levar delegações grandes, como Itália, Grã-Bretanha e Estados Unidos. O respeito pelo uso da máscara não esteve presente o tempo todo. Os atletas do Tajiquistão e do Quirguistão, por exemplo, sequer as usavam – o equipamento faz parte do protocolo sanitário dos Jogos de Tóquio. Ao todo, segundo a organização, foram 5.700 atletas espalhados entre os 206 países.

Siga o Analítico no Twitter

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos