Mercado fechará em 1 h 52 min
  • BOVESPA

    106.152,76
    -210,34 (-0,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.527,52
    -187,08 (-0,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,93
    -0,73 (-0,88%)
     
  • OURO

    1.802,40
    +3,60 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    61.222,29
    +2.138,15 (+3,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.481,84
    +62,47 (+4,40%)
     
  • S&P500

    4.584,03
    +32,35 (+0,71%)
     
  • DOW JONES

    35.646,82
    +156,13 (+0,44%)
     
  • FTSE

    7.249,47
    -3,80 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    25.555,73
    -73,01 (-0,28%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.696,75
    +109,50 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5543
    +0,1296 (+2,02%)
     

Brasil cria 2,2 milhões de empregos com carteira assinada em 2021

·4 minuto de leitura
*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 24-01-2019: Carteira de trabalho e previdência social. Ministério do Trabalho e Emprego. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)
*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 24-01-2019: Carteira de trabalho e previdência social. Ministério do Trabalho e Emprego. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O país registrou a abertura de 372,2 mil vagas de emprego com carteira assinada em agosto, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (29) pelo Ministério do Trabalho e Previdência. No acumulado do ano, são 2,2 milhões de postos criados.

O saldo no mês é resultado de 1,8 milhão de contratações e 1,4 milhão de desligamentos, de acordo com os números mensais apresentados pelo ministério por meio do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

O saldo positivo em agosto foi influenciado principalmente pelo setor de serviços (que abriu 180,6 mil vagas), que tem sido beneficiado pela vacinação e pela reabertura das atividades. Tiveram destaque segmentos como os de alojamento e alimentação (criação de 33,7 mil vagas) e educação (25 mil).

O setor de serviços é seguido por comércio (77,7 mil), indústria (72,6 mil), construção (32 mil) e agropecuária (9,2 mil).

A abertura de vagas continua a sequência de resultados positivos no mercado de trabalho formal vista ao longo do ano.

Em janeiro, foram criados 261,1 mil novos contratos. Em fevereiro, 397,3 mil. A partir de então, com o recrudescimento da Covid-19, o resultado foi menor. Foram 175,6 mil novos postos de trabalho em março, seguidos de 116,2 mil em abril, e 275,7 mil em maio.

Junho (com abertura de 302,3 mil vagas) e julho (com 303,2 mil) deram sequência à tendência de alta. Os dados do ano têm ajuste (ou seja, consideram dados apresentados fora do prazo pelas empresas).

No acumulado de janeiro a agosto, o saldo positivo de 2,2 milhões de novas vagas decorre de 13 milhões de admissões e 10,8 milhões desligamentos. O resultado representa uma reversão do registrado no mesmo período de 2020, quando a economia foi mais atingida pela pandemia e houve corte de 849,3 mil vagas.

O ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni, disse que os indicadores comprovam a recuperação do país. “O Brasil atinge uma marca extremamente importante de 2,2 milhões de empregos formais. Essa recuperação econômica que o Brasil vem fazendo pós-pandemia é extremamente sustentável”, afirmou.

Ele afirmou que o programa de manutenção de empregos formais (o BEm, que possibilita redução de salário e jornada ou suspensão do contrato) foi o maior do tipo já visto no país, com impacto positivo não só sobre os números do emprego formal como também sobre outros números da economia.

Todas as regiões do país apresentaram abertura de vagas, com a liderança do Sudeste (abertura de 185,9 mil vagas). Em seguida, vieram Nordeste (82,8 mil), Sul (54 mil), Centro-Oeste (29,6 mil) e Norte (19,7 mil).

Onyx aproveitou para defender a flexibilização das regras trabalhistas, que está nos planos do governo desde a campanha eleitoral e que tem a justificativa de formalizar pessoas de renda e qualificação mais baixas. O governo já tentou por duas vezes fazer as mudanças, mas o plano acabou derrubado no Congresso.

"Lamentamos o compreendido por uma parcela do Senado e acreditamos que, no próximo momento de discussão congressual, teremos a aprovação unânime", disse Onyx.

Para o ministro, é preciso criar uma porta de entrada para os trabalhadores menos qualificados em setores como o de Serviços. "Antes de ter uma grande ocupabilidade com carteira assinada, [precisamos] qualificá-las, para que aí sim elas tenham condições de acessar um emprego com carteira assinada", afirmou.

Agora, a equipe do ministério pretende articular para manter a discussão de ao menos parte da MP (medida provisória) 1.045, que fazia flexibilizações na legislação e foi derrubada pelo Senado, em outra proposta. Mas ainda não está definido como o texto voltaria, se por meio de nova MP ou outro tipo de instrumento legal.

Outros dados, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mostram que a taxa de desemprego recuou para 14,1% no Brasil no segundo trimestre deste ano, mas que o país ainda registra 14,4 milhões de desempregados.

Os números nesse caso são da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), que usa outra metodologia e é mais abrangente ao considerar dados também do mercado de trabalho informal.

Pelas estatísticas oficiais do IBGE, um trabalhador é considerado desocupado quando não está atuando e segue em busca de novas oportunidades, com ou sem carteira assinada. No primeiro trimestre deste ano, a taxa de desemprego era de 14,7%. Havia 14,8 milhões de desocupados.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos