Mercado fechará em 1 h 27 min

Brasil concede registro para agrotóxicos com dicamba, proibido pela Justiça nos EUA

.

SÃO PAULO (Reuters) - O Ministério da Agricultura do Brasil concedeu registro para diversos agrotóxicos à base de dicamba, incluindo um produto da Monsanto, empresa da alemã Bayer, segundo publicações da pasta no Diário Oficial da União desta quinta-feira.

Em nota, a Bayer esclareceu que a aprovação realizada pela pasta é referente ao registro do ingrediente ativo do dicamba. "Não se trata de concessão de registro da formulação para fins comerciais", disse a empresa à Reuters.

As autorizações do governo brasileiro vêm pouco depois de uma decisão judicial nos Estados Unidos ter vetado, no início de junho, a venda de alguns pesticidas com dicamba no país, incluindo o XtendiMax, da Bayer, o Engenia, da Basf, e o FeXapan, da Corteva Agroscience.

Na decisão, um painel de três juízes entendeu que reguladores minimizaram riscos relacionados ao produto.

Antes, em fevereiro, a Bayer e a Basf foram condenadas por um júri nos EUA a pagar indenização a um produtor rural no Missouri que alegou que pesticidas com dicamba destruíram suas plantações de pêssego.

A coordenadoria-geral de agrotóxicos do Ministério da Agricultura brasileiro aprovou registros para seis produtos à base de dicamba, sob titularidade de empresas que incluem Monsanto, Albaugh Agro Brasil e Ouro Fino Química, entre outras.

Todos foram classificados como "produto muito perigoso ao meio ambiente", segundo as publicações da pasta no Diário Oficial da União. O produto da Bayer, sob marca Dicamba Técnico Monsanto 1, tem como fabricante a indiana Gharda Chemicals Limited.

A decisão judicial nos EUA contra produtos com dicamba foi criticada pelo secretário de Agricultura do país, Sonny Perdue, que disse que gerou incertezas para produtores rurais. Depois, a Agência de Proteção Ambiental norte-americana (EPA) afirmou fazendeiros poderiam utilizar os estoques existentes de pesticidas à base do produto.


(Por Luciano Costa)