Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -908,97 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,29
    -0,61 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    36.522,44
    -3.582,62 (-8,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

Brasil completa 1 mês com média de mortes por Covid abaixo de 300

·2 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em 1º de novembro, o Brasil registrava, pela primeira vez desde abril de 2020, média móvel de mortes por Covid inferior a 300 vidas perdidas por dia. Trinta dias depois, agora em meio a uma nova variante que assusta o mundo, a marca permanece nessa faixa.

Nesta terça-feira (30), com as 326 mortes registradas, a média móvel de óbitos ficou em 231 vidas perdidas por dia, cenário de estabilidade (sem variações maiores do que 15%) em relação ao dado de duas semanas atrás.

Também foram registrados 10.161 casos, o que levou a média para 7.781 infecções por dia, queda de 17%, também em relação a duas semanas atrás. É a menor média desde 8 de maio de 2020, quando ela era de 7.752 casos diários.

O país assim chega a 614.754 mortes e a 22.093.195 pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2 desde o início da pandemia.

Os dados podem parecer positivos, mas há alguns pontos a se levar em consideração.

"Estamos comemorando ter saído de uma situação de queda de 15 aeronaves por dia para 1 por dia", diz Jamal Suleiman, especialistas do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. "Quando falamos de mais de 200 mortes por dia de uma doença imunoprevenível, passa a impressão de que algo está sob controle. Só que não.

Segundo Suleiman, não é razoável que ainda haja esse tanto de pessoas morrendo por uma doença que pode ser prevenida por vacinas, no momento amplamente disponíveis no Brasil.

O especialista afirma que de cada 10 internações no Emílio Ribas por Covid grave, 8 são de pessoas que não se vacinaram.

Suleiman diz que é possível reduzir ainda mais os números relacionados à Covid no Brasil.

Os dados do país, coletados até 20h, são fruto de colaboração entre Folha de S.Paulo, UOL, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo e G1 para reunir e divulgar os números relativos à pandemia do novo coronavírus. As informações são recolhidas pelo consórcio de veículos de imprensa diariamente com as Secretarias de Saúde estaduais.

A iniciativa do consórcio de veículos de imprensa ocorreu em resposta às atitudes do governo Jair Bolsonaro (sem partido), que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins sobre a doença e tirou informações do ar, com a interrupção da divulgação dos totais de casos e mortes. Além disso, o governo divulgou dados conflitantes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos