Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.855,24
    -1.382,53 (-3,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Brasil começará a aplicar 3ª dose de vacina contra Covid-19 em setembro

·4 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) -O Ministério da Saúde anunciou nesta quarta-feira que uma terceira dose de reforço da vacina contra Covid-19 começará a ser aplicada no Brasil na segunda quinzena de setembro para pessoas imunossuprimidas e com mais de 70 anos, preferencialmente com os imunizantes da Pfizer.

“A ação será destinada a todos os indivíduos imunossuprimidos após 28 dias da segunda dose e para pessoas acima de 70 anos vacinadas há 6 meses”, disse o ministério em nota. “A imunização deverá ser feita, preferencialmente, com uma dose da Pfizer, ou de maneira alternativa, com a vacina de vetor viral da Janssen ou da AstraZeneca”, acrescentou.

Além disso, a pasta informou em comunicado que, a partir de setembro, antecipará o intervalo entre a primeira e a segunda doses das vacinas da Pfizer e da AstraZeneca das 12 semanas atuais para 8 semanas. Segundo o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, a redução do intervalo tem por objetivo avançar na aplicação da segunda dose no país.

“O objetivo principal é avançar na aplicação da segunda dose. A expectativa é de que todos acima de 18 anos estejam vacinados com as duas doses até o fim de outubro”, disse.

A expectativa inicial era que toda a população adulta fosse vacinada até o final do ano.

Segundo dados do Ministério da Saúde, até a terça-feira 123,9 milhões de pessoas haviam recebido ao menos uma dose da vacina contra Covid-19 –ou cerca de 59% da população– enquanto 55,7 milhões estavam com esquema vacinal completo –equivalente a cerca de 26,5% da população total do país.

VARIANTE DELTA

Na entrevista, Queiroga disse que a decisão de aplicar uma dose de reforço tem por objetivo ampliar a proteção diante do avanço da variante Delta.

“A variante Delta pode atacar aqueles mais vulneráveis, aqueles que fazem tratamento com imunossupressores, ou indivíduos mais idosos. Vacinando esses públicos com esse reforço, nós teremos uma proteção adicional”, afirmou.

Na noite de terça, o ministro da Saúde havia afirmado que a aplicação da dose de reforço começaria no dia 15 de setembro –data em que o ministério espera ter toda a população com mais de 18 anos vacinada com ao menos uma dose– e incluiria os imunossuprimidos e as pessoas com mais de 80 anos.

Ele afirmou ainda, na ocasião, que a vacina da Pfizer, feita em parceria com a alemã BioNTech, seria usada na aplicação da terceira dose. De acordo com o ministro, a intercambialidade de vacinas já foi testada e aprovada por grandes agencias sanitárias do mundo.

O comunicado do ministério não mencionou a CoronaVac, vacina contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac que está sendo envasada no Brasil pelo Instituto Butantan, vinculado ao governo do Estado de São Paulo.

O imunizante, que deu a largada na campanha de vacinação contra a Covid-19 no Brasil em janeiro, é frequentemente atacado pelo presidente Jair Bolsonaro, inclusive com alegações inverídicas e sem embasamento científico. Bolsonaro é inimigo político do governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

“Essas decisões foram tomadas em conjunto com Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde), Conasems (Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde) e a Câmara Técnica Assessora de Imunização Covid-19 (Cetai) do nosso ministério”, afirmou a pasta.

Em entrevista coletiva em São Paulo, o presidente do Butantan, Dimas Covas, disse que a não inclusão da CoronaVac no comunicado do ministério é mais um ataque do governo federal ao imunizante.

“Esses ataques repetidos à CoronaVac não são novidade. Nós convivemos com isso quase que diariamente”, disse. “Existem já estudos sobre essa associação de vacinas diferentes, inclusive com a CoronaVac. A CoronaVac acrescenta como terceira dose –isso já publicado, inclusive– um aumento de até cinco vezes a estimulação de anticorpos. Então isso não está baseado em regra técnica, não é um fato científico, é uma preferência do ministro para atingir, obviamente, a CoronaVac”, acrescentou.

Na mesma coletiva, o governo de São Paulo anunciou que começará a aplicar a terceira dose, com qualquer vacina que estiver disponível, a partir de 6 de setembro no público maior de 60 anos de idade.

(Por Eduardo Simões e Ricardo BritoEdição de Alexandre Caverni)

This article was originally posted on FX Empire

More From FXEMPIRE:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos