Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    53.976,80
    -805,11 (-1,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3151
    +0,0769 (+1,23%)
     

Brasil começa campanha de mega vacinação contra a covid-19 no sábado (20)

·2 min de leitura

No sábado (20), começará oficialmente a campanha nacional de Mega Vacinação contra a covid-19, liderada pelo Ministério da Saúde. Para estimular que mais brasileiros sejam imunizados contra o coronavírus SARS-CoV-2, a Saúde planeja promover ações simultâneas em seis capitais (Rio de Janeiro, São Paulo, Manaus, Curitiba, Salvador e Brasília).

O objetivo das autoridades públicas é incentivar que a população vá aos postos de vacinação para tomar a segunda dose. Por causa disso, a campanha tem como slogan "Proteção pela metade não é proteção", já que a eficácia máxima de um imunizante só ocorre duas semanas após a segunda dose. Além disso, a ação busca também incentivar que a população receba as doses de reforços — elas estão liberadas para quem tem mais de 18 anos e tomou a último dose há pelo menos 5 meses.

Ministério da Saúde busca incentivar a vacinação contra a covid-19 com nova campanha (Imagem: Reprodução/Prostock-studio/Envato Elements)
Ministério da Saúde busca incentivar a vacinação contra a covid-19 com nova campanha (Imagem: Reprodução/Prostock-studio/Envato Elements)

“Nós queremos convidar todos os brasileiros que não foram tomar a segunda dose, assim como a dose de reforço, a procurar as Unidades Básicas de Saúde, salas de vacinação e as estratégias usadas em cada município. Essas doses estão disponíveis para a população, que ficará mais protegida e ajudará o Brasil a superar a crise sanitária e dar exemplo com uma das campanhas de vacinação mais bem-sucedidas do mundo, promovida integralmente pelo Sistema Único de Saúde”, afirmou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

No entanto, quem não quis se imunizar contra a covid-19 também poderá ser vacinado na ocasião, incluindo os adolescentes. Até o dia 26 de novembro, os postos de vacinação em todo país estarão preparados para intensificar a imunização contra o coronavírus para todos os brasileiros.

Primeira e segunda doses + reforço

A ação da Saúde pretende incentivar que 21 milhões de brasileiros — que não tomaram a segunda dose da vacina — procurem os postos e completem o ciclo vacinal. Além disso, é esperado que 9,3 milhões de pessoas recebam o reforço a imunidade contra a doença.

Segundo um levantamento do Ministério da Saúde, os dois estados que mais concentram pessoas que não completaram o esquema vacinal são São Paulo, com 4,1 milhões de pessoas, e Minas Gerais, com mais de 2,2 milhões. Entre os atrasados, 2,9 milhões têm entre 30 e 34 anos. Esta é a faixa etária que menos voltou aos postos de vacinação em todo o país.

Vale lembrar que, nesta quinta-feira (18), o Brasil registra 60,04% da população com o esquema vacinal completo (duas doses ou imunizante de dose única), o que equivale a 128,48 milhões de brasileiros protegidos. Os dados são da plataforma Our World in Data. Pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) apontam para a importância de que essa porcentagem ultrapasse os 80%.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos