Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.439,15
    +1.595,41 (+1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.844,95
    +287,30 (+0,57%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,51
    +0,22 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.775,30
    +11,50 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    42.226,84
    -1.679,50 (-3,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.048,67
    -15,17 (-1,43%)
     
  • S&P500

    4.354,19
    -3,54 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.919,84
    -50,63 (-0,15%)
     
  • FTSE

    6.980,98
    +77,07 (+1,12%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    15.036,75
    +27,25 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1982
    -0,0465 (-0,74%)
     

Brasil começa bem, mas perde da Noruega na estreia do handebol masculino

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A seleção brasileira masculina até começou bem em sua estreia no handebol nas Olimpíadas de Tóquio, na noite desta sexta-feira (23), já manhã de sábado (24) no horário local, mas sucumbiu frente à forte Noruega por 27 a 24 .

O Brasil chegou a abrir três gols de vantagem sobre os adversários no início do primeiro tempo. Os noruegueses conseguiram diminuir a diferença e a etapa terminou 13 a 12.

Já no início da segunda etapa, a Noruega passou à frente do placar, e deixou mais a liderança. Se impôs com uma forte defesa e neutralizou o até então bom ataque brasileiro.

O próximo jogo do Brasil é contra a França, às 21h do domingo (25). Nas Olimpíadas, a disputa de handebol tem dois grupos com seis seleções cada —oito avançam para as quartas de final.

Nesta Olimpíada, o Brasil tenta se recuperar de uma crise que assolou a modalidade com denúncias de corrupção e assédio sexual.

Manoel Luiz de Oliveira presidia a Confederação Brasileira de Handebol (CBHd) desde 1989 e, em 2018, foi afastado por determinação judicial, sob acusação de irregularidades. O vice de Oliveira, Ricardo Souza assumiu a presidência e, em vez de solucionar os problemas, abalou ainda mais a imagem do esporte.

Souza foi acusado de assédio moral e sexual contra uma funcionária da confederação durante os Jogos Pan-Americanos de Lima, em 2019.

Durante a turbulência, a confederação perdeu patrocinadores, chegou a ter verbas do Comitê Olímpico do Brasil (COB) bloqueadas e ainda ficou de fora de um período de treinamentos organizado pela entidade, em Portugal, durante a pandemia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos