Mercado fechará em 1 h 44 min
  • BOVESPA

    116.999,48
    +769,36 (+0,66%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.720,55
    -326,03 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,89
    +1,37 (+1,58%)
     
  • OURO

    1.722,30
    -8,20 (-0,47%)
     
  • BTC-USD

    20.154,62
    +101,52 (+0,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,83
    -1,58 (-0,34%)
     
  • S&P500

    3.779,56
    -11,37 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.268,27
    -48,05 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.581,25
    -59,50 (-0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1373
    -0,0306 (-0,59%)
     

Brasil caminha para eliminar dependência externa de alumínio

(Bloomberg) -- O Brasil está perto de se tornar autossuficiente em alumínio pela primeira vez em quase uma década, bem quando as crises de energia na China e na Europa ameaçam reduzir a oferta global.

“O Brasil está numa trajetória de recuperar ao menos a autossuficiência no fornecimento”, disse em entrevista Janaina Donas, presidente da Associação Brasileira do Alumínio (ABAL). O país tem uma alta taxa de reciclagem em comparação com o resto do mundo, acrescentou ela.

A maior economia da América Latina é importadora líquida de alumínio desde 2014, quando uma crise energética no país provocou uma disparada nos preços de eletricidade e forçou os produtores locais a fecharem usinas. No passado, a energia barata e abundante de hidroelétricas tornou o Brasil, rico em bauxita, o sexto maior produtor mundial de alumínio. Hoje, o país ocupa a 12ª posição.

O progresso rumo à autossuficiência ocorre em um momento crítico. As restrições no fornecimento de energia na Europa e na China levaram a paralisações de fundições, limitando a produção e reduzindo a oferta do metal leve usado em automóveis, latas de bebida e construção.

A atual capacidade de produção de alumínio do Brasil é de cerca de 910.000 toneladas, de acordo com a ABAL. O país importou 623.500 toneladas de alumínio primário e ligas no ano passado e consumiu um recorde de 1,58 milhão de toneladas. Isso deve mudar no próximo ano, à medida que as usinas do país começarem a aumentar a produção.

A capacidade deverá saltar cerca de 49% para 1,36 milhão de toneladas já no próximo ano. A reviravolta começará quando a Alcoa e a parceira South32 reiniciarem a Alumar, um complexo no Nordeste com capacidade total de fundição de 447.000 toneladas, com previsão para o primeiro trimestre de 2023.

A brasileira Cia. Brasileira de Alumínio planeja produzir 30.000 toneladas a mais no próximo ano, operando em plena capacidade de 380.000 toneladas. A CBA também está investindo para trazer mais 50.000 toneladas ao mercado em 2025.

O Brasil pode até assumir um papel global maior no fornecimento de alumínio devido à oferta doméstica de bauxita - minério essencial para a produção de alumínio - e à abundância de hidreletricidade que aumenta o apelo para compradores que buscam metal feito com fontes de energia menos poluentes, disse Donas.

A expectativa inicial, porém, é que a produção extra se dirija ao mercado interno, disse ela.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.