Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.504,84
    +344,29 (+1,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Brasil busca opções para importar diesel em todos os países sem sanções, diz Sachsida

Ministro de Minas e Energia do Brasil, Adolfo Sachsida

(Reuters) - O governo brasileiro busca oportunidades para importação de diesel mais barato em todos os países que não estão sob sanção, disse nesta sexta-feira o ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida.

Segundo Sachsida, sua pasta questionou o Ministério das Relações Exteriores sobre quais países não possuem sanções internacionais, para que o Brasil possa comprar combustível desses países.

"Todos os que não possuem nenhuma sanção nós estamos entrando em contato para trazer combustível mais barato", disse, em conversa com jornalistas ao lado do presidente Jair Bolsonaro em um posto de gasolina de Brasília (DF).

Já Bolsonaro afirmou que o diesel da Rússia chegará ao Brasil "o mais rápido possível", se estiver "tudo desembaraçado".

"Meu relacionamento com o governo russo não é bom, é excepcional", disse Bolsonaro.

O ministro de Minas e Energia afirmou, ainda, que deve haver uma redução de mais 10 centavos por litro, tanto da gasolina quanto do diesel, em função da prorrogação do prazo para as distribuidoras de combustíveis cumprirem suas metas de descarbonização de 2022.

O decreto para postergação dos prazos foi publicado nesta sexta-feira. Essas metas se referem à aquisição obrigatória de créditos de carbono emitidos por produtores de biocombustíveis, principalmente etanol. O custo dessa compra é repassado aos consumidores.

(Por Rafaella Barros)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos