Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,10 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,43 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,52
    +0,20 (+0,34%)
     
  • OURO

    1.742,40
    -2,40 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    60.153,13
    +905,37 (+1,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,35 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,00 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,30 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,06 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.784,00
    -45,50 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7626
    -0,0016 (-0,02%)
     

Brasil bate novo recorde de mortes por Covid-19 em um dia com mais 1.910 óbitos

Gabriel Araujo
·2 minuto de leitura
Enterro de vítima da Covid-19 em cemitério de Manaus (AM)

Por Gabriel Araujo

BRASIL (Reuters) - O Brasil registrou nesta quarta-feira 1.910 novas mortes em decorrência da Covid-19, renovando seu recorde de óbitos em um único dia e atingindo um total de 259.271 vítimas fatais da doença, informou o Ministério da Saúde.

A marca supera o recorde anterior, registrado na véspera, quando foram notificadas 1.641 mortes.

Além disso, também foram contabilizados 71.104 novos casos de coronavírus no país, segunda maior marca desde o início da pandemia. A cifra fica abaixo somente da verificada no último dia 7 de janeiro, quando houve o anúncio de 87.843 infecções.

Com isso, o total local de pessoas contaminadas pelo vírus chega a 10.718.630, conforme os dados do ministério.

O Brasil, que enfrenta uma nova onda de contaminações, mortes e sobrecargas em hospitais, é o segundo país com maior número de óbitos por coronavírus no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, e o terceiro em casos, abaixo dos EUA e da Índia.

Estado brasileiro mais afetado pela doença em números absolutos, São Paulo chegou às marcas de 2.068.616 casos e 60.381 mortes. O governo local decidiu colocar todo o Estado na fase vermelha do plano de contenção do vírus, a mais restritiva, diante do aumento nos índices da pandemia.

"É muito triste, para todos nós, voltarmos a uma situação que nós tínhamos lá no pior período da epidemia, onde nós seremos obrigados a impor o fechamento de todos os serviços não essenciais... É com muito pesar que a gente faz isso", disse o coordenador executivo do Centro de Contingência da Covid-19 em São Paulo, João Gabbardo, em entrevista coletiva nesta quarta.

"Mas a gente teve que fazer uma opção, e nós fizemos uma opção pela vida. Porque hoje, com essa velocidade que nós temos na transmissão da doença, não existe outra alternativa que não seja o isolamento", acrescentou, destacando que a segunda onda levou o país inteiro a entrar em situação de colapso.

Em nota publicada na véspera, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) alertou que 19 unidades da federação apresentavam taxas de ocupação de leitos de unidades de terapia intensiva (UTIs) acima de 80%.

De acordo com os números do Ministério da Saúde, Minas Gerais é o segundo Estado com maior número de infecções pelo coronavírus, com 893.645 casos, mas o Rio de Janeiro é o segundo com mais óbitos contabilizados, somando 33.362 mortes.

O Brasil ainda possui, segundo o governo, 9.591.590 pessoas recuperadas da Covid-19 e 867.769 pacientes em acompanhamento.