Mercado fechará em 3 h 28 min
  • BOVESPA

    122.476,12
    +674,91 (+0,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.308,65
    +113,22 (+0,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,90
    +0,75 (+1,10%)
     
  • OURO

    1.807,10
    -7,40 (-0,41%)
     
  • BTC-USD

    39.294,11
    -70,35 (-0,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    976,58
    +0,68 (+0,07%)
     
  • S&P500

    4.420,46
    +17,80 (+0,40%)
     
  • DOW JONES

    34.985,79
    +193,12 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.120,43
    -3,43 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    26.204,69
    -221,86 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.148,50
    +75,00 (+0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1409
    +0,0226 (+0,37%)
     

Brasil assume presidência do Mercosul nesta quinta em meio a isolamento argentino

·2 minuto de leitura

BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - O Brasil assume nesta quinta-feira (8) a presidência pró-tempore do Mercosul, em uma reunião virtual do bloco. A passagem do comando da Argentina para o Brasil ocorre em meio a um processo de isolamento do país vizinho, cujo governo não está de acordo com a flexibilização do bloco, como defendem Uruguai, Paraguai e Brasil.

Durante reunião do Conselho do Mercado Comum do Mercosul, nesta quarta (7), o Uruguai afirmou que vai iniciar conversas para acordos comerciais com outros países fora do bloco.

O país ressaltou que essa iniciativa não significa um rompimento com o Mercosul, do qual quer continuar membro, enquanto negocia acordos bilaterais.

A atitude, reafirmada em comunicado divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores uruguaio, agrava a tensão entre os países membros.

Na reunião passada, que foi comemorativa dos 30 anos do Mercosul, o presidente argentino, Alberto Fernández, irritou-se com os ataques mais duros do mandatário uruguaio, Luis Lacalle Pou, que reclamava do protecionismo e da demora na tomada de decisões no bloco. Fernández chegou a dizer que quem não estivesse feliz deveria "abandonar o barco".

O desentendimento básico se dá em torno da redução da TEC (tarifa externa comum). O Brasil, assim como Uruguai, defende uma redução radical, enquanto a Argentina prefere uma redução gradual e menor, evitando aplicá-la ao setor industrial, pelo menos até janeiro. O Brasil insiste que o bloco deixe de ser guiado por "questões ideológicas".

Nos últimos dias, o embaixador da Argentina no Brasil, Daniel Scioli, realizou reuniões com representantes do governo brasileiro para tratar do assunto. A Argentina teme que o Brasil, na presidência do bloco, acelere o processo de flexibilização.

"Estamos avançando na tentativa de preservar o Mercosul", afirmou Scioli, ante a rumores de que o bloco poderia se desintegrar se os líderes não chegarem a um acordo. Scioli levou os pedidos da União Industrial Argentina, para que o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, não avance em uma redução generalizada de todas as tarifas externas.

Fernández defende que uma redução radical poderia afetar a indústria da região em um momento de crise econômica.

O chanceler do Uruguai, Francisco Bustillo, afirmou que o Uruguai mantém sua posição, ao lado do Brasil e do Paraguai. "O Uruguai não pode apostar em um bloco autárquico. Mas não são negociações simples. A posição da Argentina é clara. Nos informa que não está a favor de uma flexibilização. Só que para nós é necessária uma maior inserção internacional. O Uruguai precisa disso. Nossa posição é pela modernização do Mercosul".

"Nós precisamos ter mais acesso a mercados internacionais, para potencializar nossa rica produção", complementou. Bustillo também afirmou que a lentidão da União Europeia em responder ao possível acordo com o bloco demonstra que "não há um real interesse deles neste tratado, portanto não podemos ficar parados esperando que isso se desenrole".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos