Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.944,56
    +415,59 (+0,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,11
    -1,56 (-2,49%)
     
  • OURO

    1.794,50
    +16,10 (+0,91%)
     
  • BTC-USD

    55.608,67
    -421,61 (-0,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.284,28
    +21,32 (+1,69%)
     
  • S&P500

    4.163,76
    +28,82 (+0,70%)
     
  • DOW JONES

    34.080,58
    +259,28 (+0,77%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.860,25
    +66,00 (+0,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7006
    -0,0019 (-0,03%)
     

Brasil anuncia compra de 100 milhões de doses da vacina Pfizer

·1 minuto de leitura
O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, participa de entrevista coletiva em Brasília

O governo anunciou nesta segunda-feira (15) a compra de 100 milhões de doses da vacina Pfizer-BioNTech, que devem ser entregues até setembro, dentro do plano para acelerar a imunização contra o novo coronavírus, que já deixou quase 280.000 mortos no país.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, também anunciou em entrevista coletiva a aquisição, para o segundo semestre, de 38 milhões de doses da vacina da Janssen, de dose única, da farmacêutica americana Johnson & Johnson.

Com a compra anunciada hoje, o Brasil tem encomendadas 562 milhões de doses de vacinas, que devem ser entregues até o fim do ano, indicou o ministro. O numero contrasta com o início lento da campanha de vacinação, em meados de janeiro, com interrupções em alguns estados devido a atrasos nas entregas.

Até o momento, 9,8 milhões dos 212 milhões de brasileiros receberam a primeira dose de uma das duas vacinas que chegaram ao país (CoronaVac e AstraZeneca) e 3,6 milhões receberam a segunda.

Pazuello participou da entrevista após um fim de semana repleto de rumores sobre sua partida iminente do ministério, em meio à gestão caótica da pandemia pelo presidente Jair Bolsonaro. O ministro, terceiro no cargo desde o começo da crise sanitária, há um ano, admitiu que o presidente busca um substituto para "reorganizar" a pasta.

"O presidente está nessa tratativa de reorganizar o Ministério. Enquanto isso não for definido, a vida segue normal. Estamos trabalhando, focando na missão", declarou Pazuello, 58, general do Exército.

A segunda onda da pandemia está no auge no país, que registra uma média semanal de mais de 1,8 mil mortos por dia. No começo do ano, a média era de 703 óbitos diários.

mel-js/gma/mvv/lb