Mercado fechado
  • BOVESPA

    104.027,55
    +3.252,98 (+3,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.926,59
    +919,43 (+1,84%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,90
    +1,33 (+2,03%)
     
  • OURO

    1.769,30
    -15,00 (-0,84%)
     
  • BTC-USD

    56.874,05
    -92,60 (-0,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.446,18
    +7,30 (+0,51%)
     
  • S&P500

    4.577,10
    +64,06 (+1,42%)
     
  • DOW JONES

    34.639,79
    +617,75 (+1,82%)
     
  • FTSE

    7.129,21
    -39,47 (-0,55%)
     
  • HANG SENG

    23.788,93
    +130,01 (+0,55%)
     
  • NIKKEI

    27.753,37
    -182,25 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.988,25
    +118,50 (+0,75%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3758
    -0,0710 (-1,10%)
     

Brasil analisa situação interna após aumento de casos de covid na Europa

·2 min de leitura

Na terça-feira (16), o Ministério da Saúde afirmou que acompanha a situação epidemiológica da covid-19 na Europa, onde a transmissão do coronavírus SARS-CoV-2 volta a subir. Segundo Marcelo Queiroga, autoridades públicas brasileiras devem discutir, em conjunto, possíveis medidas a serem adotadas, se casos da doença voltarem a crescer nacionalmente.

“Estamos acompanhando o cenário epidemiológico. Então, a qualquer sinal de que possa haver um aumento de casos, as medidas de flexibilização podem, naturalmente, ser revistas. Seja no sentido de restringir, seja no sentido de torná-las mais liberais”, afirmou o ministro. Na ocasião, Queiroga foi questionado sobre a realização do carnaval em 2022.

Ministério da Saúde observa aumento de casos da covid-19 na Europa (Imagem: Reprodução/Twenty20photos/Envato Elements)
Ministério da Saúde observa aumento de casos da covid-19 na Europa (Imagem: Reprodução/Twenty20photos/Envato Elements)

“O que desejamos é voltar à normalidade o mais rápido possível, mas precisamos olhar o que está acontecendo nos outros países”, pontuou Queiroga. Inclusive, a Saúde já anunciou que todos os brasileiros poderão receber a dose de reforço da vacina contra a covid-19, assim que se passarem 5 meses da segunda dose ou da aplicação do imunizante de dose única.

Nova onda da covid-19 na Europa e na Ásia

Em alguns lugares, a pandemia da covid-19 parecia ter sido superada, como em países da Europa e da Ásia. No entanto, uma nova onda de casos do coronavírus voltou a atingir estas nações. Nas últimas semanas, países anunciaram a retomada de algumas restrições sanitárias para conter a transmissão do vírus, como Alemanha, Dinamarca, França e o Reino Unido.

A Áustria, por sua vez, retomou medidas mais radicais contra o avanço da covid-19, como o lockdown, mas este é exclusivo para aqueles que optaram por não se imunizar. Nesse contexto, os não vacinados podem realizar atividades essenciais, como ir ao trabalho, comprar comida ou fazer exercícios.

Na sexta-feira (12), a última edição do Boletim Observatório Covid-19, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), apontou para os riscos do aumento de casos da doença em outros continentes para o Brasil e os desafios que ainda precisam ser superados nacionalmente, como a ampliação da vacinação. A meta é alcançar pelo menos 80% da população imunizada. Atualmente, o índice está em 59,8%, segundo a plataforma Our World in Data.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos