Mercado abrirá em 19 mins
  • BOVESPA

    106.419,53
    -2.295,02 (-2,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.206,59
    +372,79 (+0,72%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,53
    -1,12 (-1,32%)
     
  • OURO

    1.791,20
    -2,20 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    58.727,34
    -4.088,20 (-6,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.412,63
    -92,52 (-6,15%)
     
  • S&P500

    4.574,79
    +8,31 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    35.756,88
    +15,73 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.271,37
    -6,25 (-0,09%)
     
  • HANG SENG

    25.628,74
    -409,53 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    29.098,24
    -7,77 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.534,25
    -10,75 (-0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4650
    +0,0109 (+0,17%)
     

Brasil ajudará vizinhos após terminar vacinação interna em 2 meses, diz Guedes

·2 minuto de leitura
Bailarino e coreógrafo Andre Luiz da Silva Oliveira, 70, recebe a terceira dose da vacina contra a Covid-19 no Retiro dos Artistas no Rio de Janeiro

(Reuters) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira que o Brasil ajudará na imunização dos países vizinhos após terminar, em dois meses, sua campanha interna de vacinação para Covid-19.

Em evento online promovido pela organização Atlantic Council, o ministro afirmou que a importância da vacinação em massa foi tópico importante nas reuniões do Fundo Monetário Internacional (FMI) das quais participou em Washington, nos Estados Unidos.

Ele também afirmou que a recuperação desigual, englobando também o acesso às vacinas, foi outro tema de preocupação.

"Em meu discurso disse que o Brasil, assim que em dois meses a mais tivermos toda a população inteiramente vacinada, vamos começar a vacinar nossos vizinhos, vamos ajudar nossos vizinhos", disse.

Ele frisou que sua mensagem, nesses encontros, foi de que o país já vacinou 93% dos brasileiros com uma dose e 60% com duas doses, percentuais que estão proporcionando "uma volta segura ao trabalho".

O ministro também voltou a criticar as previsões do FMI para a economia brasileira.

"Estamos realmente muito confiantes que vamos crescer o dobro do que o FMI está prevendo, caímos metade do que eles previram. E por que eles estão cometendo erros tão grandes? Por causa do barulho político", disse Guedes.

Na declaração preparada para o FMI em nome de Brasil, o ministro já havia lembrado que a entidade previra tombo de 9,1% para a economia brasileira em 2020, mas que a contração foi de menos da metade disso, 4,1%.

"Neste ano eles disseram 'ano que vem será 1% (de alta do PIB)'. E eu disse que fariam de novo, que errariam de novo. Será no mínimo o dobro, mais de 2%", disse Guedes.

Na realidade, o FMI reviu na véspera sua projeção para o crescimento do Brasil a 1,5% em 2022, de 1,9% antes, e 5,2% em 2021, de 5,3% anteriormente.

As expectativas oficiais do Ministério da Economia são de avanço do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,5% para o ano que vem e de 5,3% para este ano.

(Por Marcela Ayres)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos