Mercado abrirá em 5 h 32 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,89
    +0,62 (+0,94%)
     
  • OURO

    1.870,30
    +2,70 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    45.121,06
    +343,90 (+0,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.253,85
    +55,93 (+4,67%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.082,10
    +49,25 (+0,70%)
     
  • HANG SENG

    28.559,48
    +365,39 (+1,30%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.427,25
    +123,75 (+0,93%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4277
    +0,0178 (+0,28%)
     

Brasil acumula mais de R$10 bilhões em dívidas com órgãos internacionais

Marcus Couto
·1 minuto de leitura
Calote de mais de R$ 10 bilhões a órgãos internacionais.
Calote de mais de R$ 10 bilhões a órgãos internacionais.
  • Brasil acumula mais de R$ 10 bilhões em dívidas com organismos internacionais.

  • Órgãos na lista incluem Organização Mundial da Saúde e instituição dos Brics.

  • Verba para este ano não dá conta sequer dos compromissos de 2021.

O Brasil não está sendo capaz de honrar seus compromissos financeiros com uma série de organismos internacionais, entre eles a Organização Mundial da Saúde.

Leia também:

É o que revela uma reportagem do jornal O Estado de S.Paulo, que mostra que a dívida brasileira com esses órgãos estrangeiros já ultrapassa o montante de R$ 10 bilhões, ferindo a imagem do país no exterior.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Dívida cresce

Pior, neste ano está previsto no orçamento, segundo a reportagem, apenas R$ 2,2 bilhões desse total. Isso não é suficiente para abater sequer os compromissos de R$ 4,2 bilhões previstos para este ano.

E o que se espera é que o valor do pagamento diminua ainda mais, na medida em que novos cortes devem ser feitos para acomodar o dinheiro que será liberado para a aprovação de emendas no Congresso.

De acordo com o texto, até mesmo o pagamento da cota brasileira para participação na Organização das Nações Unidas tem sido aprovado de última hora, como uma medida para que o país não perca o seu direito ao voto na ONU.

A dívida com Organização Mundial da Saúde (OMS) e com a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), segundo o Estadão, já chega a cerca de R$ 500 milhões.

No ano passado, o calote afetou ainda as cotas do Brasil no Novo Banco de Desenvolvimento (NDB) e na instituição financeira dos Brics.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube