Mercado fechará em 5 h 50 min
  • BOVESPA

    112.227,34
    -1.566,94 (-1,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.863,46
    -328,87 (-0,63%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,39
    -1,22 (-1,68%)
     
  • OURO

    1.750,40
    -6,30 (-0,36%)
     
  • BTC-USD

    47.351,26
    -223,52 (-0,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.204,03
    -21,51 (-1,75%)
     
  • S&P500

    4.450,13
    -23,62 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.639,10
    -112,22 (-0,32%)
     
  • FTSE

    7.010,59
    -16,89 (-0,24%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2721
    +0,0873 (+1,41%)
     

Brasil é o 5º maior alvo de crimes digitais no mundo em 2021

·2 minuto de leitura

Uma pesquisa feita pela consultoria alemã Roland Berger revelou que, em relação a crimes virtuais, o Brasil é o quinto maior alvo do mundo.

O levantamento da Roland Berger aponta que o Brasil já ultrapassou o volume de ataques do ano passado apenas no primeiro semestre de 2021, com um total de 9,1 milhões de casos, levando em conta somente os crimes de sequestro digital (ransomware). Esse número de ocorrências coloca o país na quinta posição mundial do ranking, atrás apenas de EUA, Reino Unido, Alemanha e África do Sul.

Na mesma pesquisa realizada pela consultoria Roland Berger, um cálculo do total de danos realizados pelos ataques virtuais foi realizado, com base nos dados de 2020. Em média, nos maiores países europeus, os ataques cibernéticos causaram danos de US$ 385 mil, aproximadamente R$ 2 milhões na cotação atual, por empresa, com os principais setores alvo, conforme o levantamento, sendo varejo, finanças, hotelaria e manufatura.

Perigo dos crimes virtuais de segurança

A grande questão com ataques digitais é que além de empresas terem que saber se precaver, elas também tem que ter grande poder de adaptação, já que o perfil das invasões pode mudar com o tempo e os criminosos são criativos.

No alto escalão de muitas companhias, as ameaças virtuais já são uma das principais preocupações, junto da crise de saúde trazida pela pandemia. Essa priorização de segurança se deu nas últimas semanas, graças ao ataque à Lojas Renner, que fez com que os executivos começassem a perceber a importância em ter uma rede segura.

Só em 2021 outras empresas e instituições sofreram ataques, como o laboratório Fleury, que por consequência da invasão ficou alguns dias sem conseguir efetuar exames, e a JBS, que teve que pagar US$ 11 milhões, aproximadamente R$ 57 milhões na cotação atual, de resgate para o sequestro digital em suas operações nos Estados Unidos, que também afetou negócios na Austrália e no Canadá.

Além disso, em invasões, o custo pode ir além do pagamento de resgates, como no caso da Renner, que embora não tenha realizado o pagamento, ficou durante alguns dias com seu e-commerce indisponível para vendas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos