• Demanda por fertilizantes segue positiva com câmbio favorável ao agricultor, diz Mosaic
    Reuters

    Demanda por fertilizantes segue positiva com câmbio favorável ao agricultor, diz Mosaic

    SÃO PAULO (Reuters) - A demanda por fertilizantes segue "muito positiva" no Brasil, mesmo em meio à crise do coronavírus, com agricultores que exportam seus produtos sendo beneficiados pela valorização do câmbio, disse a Mosaic Fertilizantes à Reuters. melhora as margens de todos os agricultores que produzem culturas para exportação.

  • Reuters

    Preço médio de gasolina, diesel e etanol recuam nos postos nesta semana, diz ANP

    RIO DE JANEIRO (Reuters) - Os preços médios de gasolina, diesel e etanol recuaram nos postos brasileiros nesta semana, após cortes consecutivos dos preços da Petrobras nas refinarias neste ano, apontaram dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) nesta sexta-feira.

  • Economia brasileira começa a sentir impactos do coronavírus, dizem analistas
    Reuters

    Economia brasileira começa a sentir impactos do coronavírus, dizem analistas

    BRASÍLIA (Reuters) - A economia brasileira já começa a sentir os primeiros sinais de impacto da propagação do coronavírus, a julgar por dados recentemente divulgados, disseram analistas de bancos nesta sexta-feira."Em linha com a queda dos indicadores de confiança, os dados têm apresentado recuos relevantes no mês passado", disse o Bradesco em nota.

  • Folhapress

    Fitch rebaixa nota de crédito de Riachuelo, Ellus e Smart Supermercados

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A agência de classificação de risco Fitch Ratings rebaixou a nota de crédito da Riachuelo (Grupo Guararapes), da Inbrands -dona da marca Ellus e operadora da Tommy Hilfiger no Brasil- e do grupo Martins, dono do Smart Supermercados, diante da crise do novo coronavírus. Em relatório emitido nesta sexta-feira (3), a Fitch destaca que realizou uma revisão do setor de varejo no Brasil e vê um dano significativo no fluxo de caixa devido ao isolamento social ao fechamento do comércio e shoppings "por um período ainda incerto". A agência também vê "danos significativos às estruturas de capital e ao perfil de liquidez", especialmente os de bens não essenciais e com "pouca penetração de vendas online". "O segundo trimestre, em especial, deverá ser o mais afetado, mas a curva de recuperação na segunda metade do ano -caso a pandemia termine até lá- deve ser lenta, sobretudo para as varejistas que vendem bens discricionários, que abrangem moda, bens de consumo duráveis, lojas de departamento e eletroeletrônicos", diz a Fitch. A agência vê um pior desempenho econômico devido a perspectivas de aumento do desemprego, deterioração da renda da população e investimentos reduzidos. "Estes fatores, combinados, deverão exercer pressão significativa na demanda, o que deve impedir uma recuperação mais forte da indústria, como previamente projetado nos cenários-base das companhias". Dentre 11 companhias analisadas, apenas Riachuelo, Inbrands e Martins tiveram seus ratings rebaixados. A Inbrans foi de CCC para CC, que indica que calote de algum tipo parece provável. Na avaliação, a Fitch cita "possibilidade de um processo de troca de dívida forçada por parte da companhia". Ainda com grau de investimento, Riachuelo foi de AA- para A+ e Martins, de A para A-, ambas com possível alteração na capacidade de pagamento adequado devido ao momento econômico. Segundo a Fitch, devido ao alto nível de incerteza no momento, novas revisões nas notas das companhias avaliadas podem ser feitas e não descarta novas ações de rating para estes emissores a curto prazo. "A intensidade dos danos nos fluxos de caixa pode piorar, e a liquidez das companhias pode se enfraquecer rapidamente em face do atual cenário. A maioria das empresas já sinalizou a redução dos investimentos e a contenção de despesas para evitar maior queima de caixa durante este período, mas estas medidas serão insuficientes caso o atual cenário se mantenha por um prazo mais longo", diz a agência.

  • Folhapress

    Governo irá lançar aplicativo para pagamento de auxílio emergencial de R$ 600

    BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro Onyx Lorenzoni (Cidadania) afirmou nesta sexta-feira (3) que a Caixa Econômica Federal irá lançar um aplicativo para identificar informais que têm direito ao auxílio emergencial de R$ 600, mas que não estão no cadastro único do governo federal. A ferramenta deve ser apresentada no início da próxima semana e irá ajudar o Executivo a encontrar pessoas que tenham direito ao benefício mas que são consideradas invisíveis por não estarem no cadastro único. "São 15 ou 20 milhões de homens e mulheres no Brasil [nessa situação] e que precisam urgentemente desse amparo e desse esforço que o presidente [Jair] Bolsonaro determinou que fizéssemos", disse Onyx, em coletiva no Palácio do Planalto. "Queremos trazer uma palavra de tranquilidade às pessoas e dizer que o esforço do governo está sendo pleno", afirmou Onyx, ao lado do ministro Paulo Guedes (Economia) e do presidente da Caixa, Pedro Guimarães. Aprovada pelo Congresso na segunda-feira (30) e sancionada pelo presidente nesta quinta (2), a ajuda foi criada para amenizar o impacto da paralisação econômica gerada pelo Covid-19 sobre a população que perdeu ou teve a sua renda reduzida. O benefício sobe para R$ 1.200 para mães responsáveis pelo sustento da família. "[O aplicativo] vai permitir que ou pela web o através do seu celular as pessoas possam fazer o seu cadastramento para permitir que, em torno de 48 horas posterior a esse cadastramento, [para] os que cumprirem os requisitos, o recurso estará creditado pela Caixa Econômica Federal, no Banco do Brasil, ou pela rede bancária privada", disse o ministro. "Ou então haverá uma autorização de saque que pode ser processado nas lotéricas e pretendemos tecnologicamente evoluir também para os caixas eletrônicos." De acordo com o governo, o auxílio deve alcançar três grupos. Os beneficiários do Bolsa Família, que seguirão o cronograma normal de pagamento do programa social e já receberão o crédito no dia 16 de abril. Essas pessoas, no entanto, precisarão optar por abrir mão do Bolsa Família para acessar o auxílio emergencial. O segundo grupo é o de informais que estão no Cadastro Único do governo federal, chamados de elegíveis. Onyx e Guimarães garantiram que essas pessoas também terão um processamento ágil dos seus pagamentos. "Aqueles que são os elegíveis, nós já teremos condições muito provavelmente de começar com os depósitos em conta ainda antes do feriado da Páscoa [12 de abril]", disse Onyx. Por último, há os informais que não estão no cadastro e que precisarão ser cadastrados pelo governo.

  • UBS passa a ver contração de 2% no PIB brasileiro em 2020, corta projeção para 2021
    Reuters

    UBS passa a ver contração de 2% no PIB brasileiro em 2020, corta projeção para 2021

    O UBS projeta que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil sofrerá um tombo de 20% no segundo trimestre sobre os três meses anteriores. Entre janeiro e março, a queda será de 3,6%.

  • Reuters

    Gerdau reduz produção nas Américas para enfrentar queda de demanda por aço

    SÃO PAULO (Reuters) - A Gerdau anunciou nesta sexta-feira cortes de produção em suas operações nas Américas, que incluem desligamento de alto-forno na usina de Ouro Branco (MG), diante de um quadro de forte queda de demanda por aço pintado pela epidemia de Covid-19.A empresa afirmou que vai desligar neste mês alto-forno 2 de Ouro Branco, de 1,5 milhão de toneladas de capacidade anual, mantendo em operação o equipamento 1, de 3 milhões de toneladas.

  • Ibovespa fecha em queda sem alívio nos temores sobre reflexos do Covid-19
    Reuters

    Ibovespa fecha em queda sem alívio nos temores sobre reflexos do Covid-19

    SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista fechou com o Ibovespa em forte queda nesta sexta-feira, uma vez que o ritmo de contágio do Covid-19 não mostra alívio no mundo, adiando também perspectivas de melhora no ambiente econômico global.Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa recuou 3,76%, a 69.

  • Exportações de frango sobem 2,6% em março, a 349,5 mil t, diz ABPA; suíno também avança
    Reuters

    Exportações de frango sobem 2,6% em março, a 349,5 mil t, diz ABPA; suíno também avança

    SÃO PAULO (Reuters) - As exportações brasileiras de carne de frango, considerando produtos in natura e processados, totalizaram 349,5 mil toneladas em março, alta de 2,6% na variação anual, informou a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) nesta sexta-feira.Em março de 2019, o Brasil embarcou 340,5 mil toneladas de carne de frango, ressaltou a associação.

  • Sem demanda, siderurgia vai abafando fornos, ações despencam
    Reuters

    Sem demanda, siderurgia vai abafando fornos, ações despencam

    Projetados para funcionar ininterruptamente, o chamado abafamento de alto-fornos é uma das medidas mais radicais a serem tomadas por empresas do setor siderúrgico para enfrentarem momentos de crise.A Usiminas anunciou na véspera desligamento de dois alto-fornos, ampliando para quatro o número de equipamentos de produção de aço bruto parados da empresa e ficando apenas com um operacional.

  • Após sete semanas de alta, dólar vai a R$ 5,327
    Folhapress

    Após sete semanas de alta, dólar vai a R$ 5,327

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O dólar bateu um novo recorde nesta sexta-feira (3), a R$ 5,327, ganho de 1,15%. Nesta sétima semana seguida de alta, a divisa acumulou valorização de 4,4%. No ano, sobe 32,7%, ficando R$ 1,31 mais cara. A alta nesta sessão reflete a aversão a risco de investidores diante do salto do desemprego nos Estados Unidos. Segundo dados do Departamento do Trabalho dos EUA divulgados nesta sexta, empregadores cortaram 701 mil vagas no país em março, depois de criarem 275 mil em fevereiro, o que fez a taxa de desemprego disparar de 3,5% para 4,4%. O dado reflete ações para conter a pandemia de coronavírus, que prejudicam empresas e fábricas. O número, contudo, é pior que o esperado pelo mercado e representa uma rápida degradação do cenário econômico. De acordo com uma pesquisa da agência de notícias Reuters com economistas, a previsão era de houvesse cortes de 100 mil empregos no mês passado. O recorde do dólar, porém, é nominal, sem contar a inflação. Se for considerado apenas o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), calculado pelo IBGE, o pico de R$ 4 em 2002 equivale a cerca de R$ 10,80 hoje. Caso também seja levada em conta a inflação americana, o valor corrigido seria cerca de R$ 7,50. A moeda americana é um dos ativos que mais se valoriza em meio à pandemia de Covid-19. Assim como o ouro, ela é tida como um dos investimentos mais seguros do mundo, sendo buscada por investidores em momentos de incerteza. O movimento faz a maior parte das moedas globais a se desvalorizarem ante o dólar, incluindo o euro e a libra. O real é a sexta moeda que mais perde valor no mundo em 2020, atrás de apenas de divisas africanas. Segundo analistas, o movimento é fruto de uma expectativa de maior dano econômico da pandemia no Brasil, que deve ter contração do PIB (Produto Interno Bruto), e impacto fiscal das medidas de incentivo do governo. Também contribui para a alta do dólar um cenário de juro baixo. Com a Selic na mínima histórica de 3,75% ao ano, e expectativa do mercado que caia para 3,25%, investir no Brasil fica menos vantajoso, o que contribui com uma fuga de dólares do país. Nesta prática de investimento, chamada carry trade, o ganho está na diferença do câmbio e do juros. Nela, o investidor toma dinheiro a uma taxa de juros menor em um país, no caso, os Estados Unidos, para aplicá-lo em outro, com outra moeda, onde o juro é maior, o Brasil. Além da saída de dólares da renda fixa, há uma saída recorde da Bolsa de Valores. O saldo de investimento estrangeiro em ações brasileiras está negativo em R$ 63,3 bilhões até 30 de março, segundo dados da B3. Para conter a alta da moeda e garantir liquidez ao mercado, que busca dólares diante da aversão a risco, o Banco Central (BC) tem feito leilões diários da moeda americana. Nesta sexta, o Banco Central (BC) vendeu US$ 455 milhões à vista. As Bolsas globais também reagiram aos dados de emprego dos EUA e fecharam em queda. Dow Jones recuou 1,7% e S&P; 500 e Nasdaq, 1,5% cada uma. No Brasil, o Ibovespa, que chegou a cair mais de 6%, fechou em queda de 3,76%, a 69.537 pontos. Na semana, a queda é de 5,3%. No ano, de 39,9%. O índice também reflete a deterioração do setor de serviços no país em março com o fechamento de empresas e a redução da demanda do consumidor devido às medidas adotadas para contenção do coronavírus. No mês passado, o Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) calculado pelo IHS Markit teve a maior queda desde o início da pesquisa, em 2007. Ele desabou para 34,5 pontos ante 50,4 pontos em fevereiro. "Os dados de março ilustram que o fechamento de empresas, cancelamento de encomendas e recuo da demanda do consumidor em meio à emergência de saúde pública do Covid-19 se traduziram em uma rápida queda na produção do setor de serviços", disse Tim Moore, diretor de economia do IHS Markit. A contração recorde no PMI de serviços levou o PMI composto do Brasil a despencar para 37,6 em março, de 50,9 em fevereiro, também o menor nível em 13 anos. A indústria também contraiu no mês, mas a um ritmo mais modesto. Já o petróleo, apesar da piora no cenário econômico, teve o segundo pregão seguido de forte alta, com o barril de Brent subindo 15%, a US$ 34,45, maior valor em três semanas. Segundo a Reuters, Opep e aliados estão trabalhando em um acordo para um corte de produção de cerca de 10% da oferta global, o que pode elevar a cotação da matéria-prima, que sofre forte desvalorização com a crise do coronavírus e o aumento de produção da Arábia Saudita.

  • Números do mercado financeiro
    Folhapress

    Números do mercado financeiro

    DÓLAR Câmbio livre BC - R$ 5,2991 / R$ 5,2997 ** Câmbio livre mercado - R$ 5,325 / R$ 5,327 * Turismo - R$ 4,520 / R$ 5,410 (*) cotação média do mercado (**) cotação do Banco Central Variação do câmbio livre mercado no dia: 1,150% OURO BM&F;R$ 277,00 BOLSAS Bovespa (Ibovespa) Variação: -3,76% Pontos: 69.537 Volume financeiro: R$ 22,108 bilhões Maiores altas: Cyrela Brazil Realty ON (2,57%), YDUQS ON (1,99%), Cogna ON (1,64%) Maiores baixas: Intermedica ON (-12,03%), Usiminas PN (-11,88%), Localiza ON (-10,83%) S&P; 500 (Nova York): -1,51% Dow Jones (Nova York): -1,69% Nasdaq (Nova York): -1,53% CAC 40 (Paris): -1,57% Dax 30 (Frankfurt): -0,47% Financial 100 (Londres): -1,18% Nikkei 225 (Tóquio): 0,01% Hang Seng (Hong Kong): -0,19% Shanghai Composite (Xangai): -0,60% CSI 300 (Xangai e Shenzhen): -0,57% Merval (Buenos Aires): 1,93% IPC (México): -1,53% ÍNDICES DE INFLAÇÃO IPCA/IBGE Fevereiro 2019: 0,43% Março 2019: 0,75% Abril 2019: 0,57% Maio 2019: 0,13% Junho 2019: 0,01% Julho 2019: 0,19% Agosto 2019: 0,11% Setembro 2019: -0,04% Outubro 2019: 0,10% Novembro 2019: 0,51% Dezembro 2019: 1,15% Janeiro 2020: 0,21% Fevereiro 2020: 0,25% INPC/IBGE Fevereiro 2019: 0,54% Março 2019: 0,77% Abril 2019: 0,60% Maio 2019: 0,15% Junho 2019: 0,01% Julho 2019: 0,10% Agosto 2019: 0,12% Setembro 2019: -0,05% Outubro 2019: 0,04% Novembro 2019: 0,54% Dezembro 2019: 1,22% Janeiro 2020: 0,19% Fevereiro 2020: 0,17% IPC/Fipe Fevereiro 2019: 0,54% Março 2019: 051% Abril 2019: 0,29% Maio 2019: -0,02% Junho 2019: 0,15% Julho 2019: 0,14% Agosto 2019: 0,33% Setembro 2019: 0,00% Outubro 2019: 0,16% Novembro 2019: 0,68% Dezembro 2019: 0,94% Janeiro 2020: 0,29% Fevereiro 2020: 0,11% IGP-M/FGV Fevereiro 2019: 0,88% Março 2019: 1,26% Abril 2019: 0,92% Maio 2019: 0,45% Junho 2019: 0,80% Julho 2019: 0,40% Agosto 2019: -0,67% Setembro 2019: -0,01% Outubro 2019: 0,68% Novembro 2019: 0,30% Dezembro 2019: 2,09% Janeiro 2020: 0,48% Fevereiro 2020: -0,04% IGP-DI/FGV Fevereiro 2019: 1,25% Março 2019: 1,07% Abril 2019: 0,90% Maio 2019: 0,40% Junho 2019: 0,63% Julho 2019: -0,01% Agosto 2019: -0,51% Setembro 2019: 0,50% Outubro 2019: 0,55% Novembro 2019: 0,85% Dezembro 2019: 1,74% Janeiro 2020: 0,09% Fevereiro 2020: 0,01% SALÁRIO MÍNIMO Janeiro 2020: R$ 1.039,00 Fevereiro 2020: R$ 1.045,00

  • Folhapress

    Cotação das moeda

    Coroa (Suécia) - 0,5205 Dólar (EUA) - 5,2997 Franco (Suíça) - 5,4211 Iene (Japão) - 0,04884 Libra (Inglaterra) - 6,481 Peso (Argentina) - 0,08171 Peso (Chile) - 0,006132 Peso (México) - 0,2146 Peso (Uruguai) - 0,1199 Yuan (China) - 0,7474 Rublo (Rússia) - 0,06871 Euro (Unidade Monetária Europeia) - 5,7226

  • Países da América Latina garantem alimentos durante a pandemia
    AFP

    Países da América Latina garantem alimentos durante a pandemia

    Vinte e cinco países latino-americanos se comprometeram a adotar medidas para garantir o suprimento de alimentos na região durante a pandemia de coronavírus, segundo comunicado divulgado nesta sexta-feira pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

  • Criticar demora do governo é oportunismo político, não é sério, diz Guedes
    Folhapress

    Criticar demora do governo é oportunismo político, não é sério, diz Guedes

    BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Pressionado para acelerar a apresentação de medidas de combate à crise do novo coronavírus, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta sexta-feira (3) que qualquer crítica sobre demora na atuação do governo é oportunismo político. Nas últimas semanas, diante do agravamento da pandemia, o governo virou alvo de economistas e parlamentares. A avaliação é de que a crise já afeta fortemente a população, enquanto ações de socorro demoram a sair. "Qualquer crítica de que houve demora no programa eu considero oportunismo político. Eu não considero uma coisa séria. Acho que a atitude séria agora é ajudar a resolver os problemas, não é ficar jogando responsabilidade para um lado ou para outro", disse Guedes em entrevista no Palácio do Planalto. Um dos focos de atrito nas últimas semanas foi o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que criticou o governo em mais de uma ocasião. Na terça-feira (31), ele afirmou que o cronograma do governo para pagar o auxílio de R$ 600 a informais não parecia emergencial. No mesmo dia, Guedes disse que o auxílio de R$ 600 só começaria a ser pago após o Congresso aprovar uma emenda à Constituição. A declaração foi rebatida por Maia em seguida. "Se o ministro Paulo Guedes falou hoje, se ele estiver certo hoje, o governo mentiu na ação que impetrou no Supremo Tribunal Federal. [...] Apenas esse esclarecimento, sem nenhuma adjetivação, sem nenhuma crítica, apesar de que seriam merecidas em relação à fala mais uma vez do ministro da economia transferindo a terceiros responsabilidades dele quando nomeado ministro da Economia, superministro, com toda liberdade para nomear toda a sua equipe no ministério da economia", disse o presidente da Câmara na terça. Maia também afirmou que o presidente Jair Bolsonaro provou que a fala de Guedes não era 100% verdadeira porque o governo acabou liberando os recursos para o auxílio antes da aprovação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) pelo Legislativo. Na declaração desta sexta, Guedes não fez menção a nomes específicos. Ele pediu união e afirmou que a saúde e o emprego deve estar acima de qualquer diferença. "Daqui a três ou quatro meses, quando superarmos essa crise, atravessarmos o problema de saúde, podem voltar de novo com o barulho natural de uma democracia. Pode todo mundo chutar todo mundo de novo, começar a brigalhada, todo mundo atacando todo mundo, mas primeiro estamos todos juntos para resolver o problema da saúde brasileira", afirmou. De acordo com o ministro, nenhum país emergente anunciou medidas emergenciais mais rápido e em maior volume do que o Brasil. "A verdade é que em três ou quatro semanas nós saímos de zero para mais de R$ 800 bilhões de recursos para os próximos três meses", afirmou.

  • Passageiros de cruzeiros com coronavírus viajam para casa e nova embarcação com doentes busca porto
    AFP

    Passageiros de cruzeiros com coronavírus viajam para casa e nova embarcação com doentes busca porto

    Os passageiros de dois transatlânticos com portadores do novo coronavírus a bordo começaram a voltar para casa nesta sexta-feira (3), depois de terem conseguido atracar, no dia anterior, em Fort Lauderdale, sul da Flórida, depois que vários portos lhes fecharam as portas durante uma travessia angustiante, de quase um mês.

  • Reuters

    Colheita de soja do Brasil supera ritmo de 2019 pela 1ª vez, diz Arc Mercosul

    SÃO PAULO (Reuters) - A colheita de soja do Brasil 2019/2020 atingiu 86,2% da área do país até esta sexta-feira, com avanço de 8,7 pontos percentuais na última semana, superando a média para o período em relação ao ciclo anterior pela primeira vez na safra, estimou a consultoria Arc Mercosul.Na mesma época do ano passado, na temporada de 2018/2019, produtores tinham colhido 85,4% da área.

  • Dólar engata 7ª semana de ganhos, bate novo recorde acima de R$5,32 e dispara 33% em 2020
    Reuters

    Dólar engata 7ª semana de ganhos, bate novo recorde acima de R$5,32 e dispara 33% em 2020

    SÃO PAULO (Reuters) - O dólar engatou a sétima semana consecutiva de ganhos e fechou nesta sexta-feira acima de 5,32 reais pela primeira vez, em mais um dia de fortalecimento global da moeda diante de evidências crescentes de que o mundo já está numa recessão que deverá ser de magnitude histórica.Ativos de risco se desvalorizaram depois de dados mostrarem que a economia norte-americana fechou mais de 700 mil postos de trabalho, em termos líquidos, em março.

  • Mercedes-Benz amplia para maio período de parada no Brasil
    Reuters

    Mercedes-Benz amplia para maio período de parada no Brasil

    SÃO PAULO (Reuters) - A Mercedes-Benz anunciou nesta sexta-feira que decidiu ampliar em cerca de uma semana o retorno de suas atividades no Brasil, paradas desde 23 de março por causa das medidas de quarentena para adotadas para frear o coronavírus no país.

  • Folhapress

    Simulador do INSS volta a funcionar e adaptado à reforma da Previdência

    SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O INSS anunciou nesta sexta (3) a volta da sua calculadora que simula quando o trabalhador irá se aposentar, adaptada às novas regras instituídas pela reforma da Previdência, em vigor desde 13 de novembro de 2019. "O serviço 'Simular Aposentadoria' traz o cálculo das regras de transição para os segurados que já estavam na Previdência antes das mudanças. E também simula se havia direito adquirido nas regras anteriores que estavam vigentes na data da alteração das regras, em 13 de novembro do ano passado", afirma o INSS, em nota. No total, o simulador realiza até sete tipos de cálculo: dois de aposentadoria por idade e cinco de aposentadoria por tempo de contribuição. De acordo com o INSS, em breve, a calculadora vai servir também para quem se filiou ao INSS (ou seja, ao Regime Geral de Previdência Social) após a data das mudanças (13 de novembro de 2019). E futuramente voltará a calcular também quanto vai ser o valor estimado da renda do cidadão ao se aposentar. A calculadora simula em quanto tempo o trabalhador irá se aposentar, mas somente após a análise da documentação pelo INSS é que o cidadão saberá se tem mesmo direito ao benefício. A simulação não é garantia de direitos, pois algumas informações podem ser incluídas ou alteradas e a documentação do segurado pode conter falhas. Por isso que o INSS pode pedir que você, ao solicitar o benefício, envie documentos para comprovação dos períodos de contribuição. O Meu INSS pode ser acessado pela internet (gov.br/meuinss) ou pelo aplicativo para celulares, disponível nas versões para IOS e Android. O serviço "Simulação de Aposentadorias" deve aparecer já na tela inicial do aplicativo, do lado direito. Se ainda não consegue visualizá-lo, basta atualizar o aplicativo. O cadastro no Meu INSS pode ser feito pelo próprio aplicativo ou pelo site dos seguintes bancos: Banco do Brasil, Banrisul, Bradesco, Caixa, Itaú, Mercantil do Brasil, Santander, Sicoob e Sicredi. Por meio do Meu INSS, o cidadão pode pedir aposentadorias, pensões, benefícios assistenciais, atualizar dados cadastrais, bloquear empréstimo consignado, excluir desconto de mensalidades associativas e, em breve, enviar atestado médico para pedidos de auxílio-doença.

  • Reuters

    Elétricas pedem apoio do governo contra impactos do coronavírus no setor

    O pleito das empresas vem em meio à forte redução da demanda por eletricidade após medidas de isolamento adotadas para combater o vírus e devido à perspectiva de aumento significativo na inadimplência.O presidente da consultoria PSR, Luiz Barroso, estimou que uma perda de receita de 20% para as distribuidoras com o menor consumo e a inadimplência poderia representar um "rombo" de 15 bilhões de reais para as empresas do segmento.

  • Consumo de energia cai 8% em primeiras semanas de isolamento por coronavírus
    Folhapress

    Consumo de energia cai 8% em primeiras semanas de isolamento por coronavírus

    A queda nas vendas é motivo de preocupação no setor, por gerar riscos financeiros às distribuidoras de eletricidade

  • Reuters

    Preço da gasolina no Brasil recua 1,81% em março, diz ValeCard

    O recuo ainda discreto nas bombas, no entanto, ocorre após a Petrobras --que detém quase 100% da capacidade de refino do Brasil-- ter reduzido em cerca de 35% o valor médio da gasolina vendida em suas refinarias em março, em meio a um recuo das cotações internacionais."A demanda também despencou nas últimas semanas por conta das ações de isolamento social impostas por Estados e municípios", disse a ValeCard, em nota à imprensa.

  • Petrobras adia cronograma para contratar plataforma para campo de Itapu, dizem fontes
    Reuters

    Petrobras adia cronograma para contratar plataforma para campo de Itapu, dizem fontes

    A plataforma, que está prevista no plano de negócios da petroleira estatal para entrar em operação em 2024, é a primeira a ter seu cronograma de licitação alterado diante do agravamento do cenário econômico global devido à pandemia, segundo as fontes, que pediram para ficar no anonimato.O campo de Itapu faz parte da região cedida em 2010 pelo governo à Petrobras sob regime de cessão onerosa --em 2019, a empresa adquiriu em leilão direitos sobre o petróleo excedente na área.

  • Quarentena pode deixar distribuidoras com sobras de energia de até 13%, diz CCEE
    Reuters

    Quarentena pode deixar distribuidoras com sobras de energia de até 13%, diz CCEE

    Pela regulação do setor, eventuais custos decorrentes de excesso de energia contratada podem ser repassados aos consumidores até um limite de 7%. A partir desse patamar, as sobras passam a poder gerar prejuízo para as concessionárias de distribuição.