Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.471,92
    +579,92 (+0,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.723,43
    -192,77 (-0,41%)
     
  • PETROLEO CRU

    88,53
    -0,48 (-0,54%)
     
  • OURO

    1.792,40
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    23.313,41
    +126,40 (+0,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    533,20
    -2,02 (-0,38%)
     
  • S&P500

    4.145,19
    -6,75 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    32.803,47
    +76,67 (+0,23%)
     
  • FTSE

    7.439,74
    -8,32 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    20.201,94
    +27,94 (+0,14%)
     
  • NIKKEI

    28.175,87
    +243,67 (+0,87%)
     
  • NASDAQ

    13.216,50
    -12,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2558
    -0,0847 (-1,59%)
     

Brasília em Off: TCU vai mirar na PEC dos benefícios

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- Engana-se quem acha que o assunto PEC dos benefícios se encerrará depois que o projeto passou pelo Congresso. Integrantes do Tribunal de Contas da União (TCU) afirmam que o texto terá problemas quando for analisado pela corte, especialmente no trecho que trata da criação de um estado de emergência.

Esse mecanismo foi incluído na proposta para driblar a legislação que veta a criação de benefícios em ano eleitoral. Quando chegar a hora, os técnicos do governo que elaboraram o texto podem acabar tendo que responder a um processo na corte de contas por isso, diz uma pessoa que acompanha o assunto de perto.

Na hora certa

O presidente da Câmara, Arthur Lira, quer conversar com o ex-presidente Luiz Inacio Lula da Silva, mas avalia que esse não é o momento.

A interlocutores, Lira afirma que sua situação não é como a do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, pois seu partido é base do governo e tem um representante dentro do Palácio do Planalto. Pacheco, do PSD, por outro lado, pode e já se reuniu com Lula, que busca apoio dos partidos da chamada terceira via ainda no primeiro turno.

A conversa com Lula agora não cairia bem, diz o presidente da Câmara, que, mesmo assim, tem recebido ligações de emissários do ex-presidente em busca de aproximação. Segundo interlocutores de Lira, a avaliação do comandante da Câmara é que o presidente Jair Bolsonaro continua errando ao insistir num discurso de polarização, briga com o STF e questionamento das urnas eletrônicas.

Guedes na campanha

O ministro da Economia, Paulo Guedes, decidiu atender aos pedidos do time de campanha e trabalhar pela reeleição de Bolsonaro. Guedes começou a enviar a interlocutores mensagens com medidas do governo na área econômica, como a reforma da Previdência, o auxílio emergencial e a privatização da Eletrobras. E não se ateve à sua pasta. As mensagens destacam também uma redução no número de homicídios e crimes violentos e apreensão recorde de drogas e entorpecentes.

Amigos mil

O ex-chanceler Celso Amorim, apontado como um potencial ministro das Relações Exteriores ou mesmo secretário especial no Planalto caso o ex-presidente Lula vença as eleições, tem sido procurado por colegas diplomatas que querem se reposicionar no Itamaraty com uma eventual mudança de governo. Amorim chegou a comentar recentemente que não sabia que tinha tantos amigos ali dentro.

Tweet da semana

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos