Mercado abrirá em 3 h 45 min
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,65
    +0,50 (+0,73%)
     
  • OURO

    1.813,30
    -1,20 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    38.574,90
    +857,48 (+2,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    952,90
    +26,13 (+2,82%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.128,87
    +5,01 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.204,69
    -221,86 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.092,50
    +19,00 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1463
    +0,0280 (+0,46%)
     

Brasília em Off: Disputa política pode levar a shutdown inédito

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A demora do Congresso em instalar a Comissão Mista de Orçamento acendeu o sinal amarelo na equipe econômica. Isso atrasou toda a tramitação do projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2021 e da própria Lei Orçamentária do ano que vem.

Um integrante da área econômica afirma que o Brasil já começou anos sem o orçamento aprovado, mas nunca sem a LDO, que dá as diretrizes para a execução orçamentária. Perguntado sobre o plano do governo caso a LDO não seja aprovada pelos parlamentares, o secretário do Tesouro, Bruno Funchal, desconversou, mas o temor nos bastidores é de que haja um shutdown -- inédito no Brasil.

Alívio?

A equipe econômica conta com a aprovação de um projeto de lei da Câmara dos Deputados que descongela R$ 177,7 bilhões de fundos públicos nas próximas duas semanas. A proposta, que tramita em regime de urgência, permite que o dinheiro seja utilizado para pagar despesas de combate à pandemia, dando um alívio para os cofres públicos porque reduz a necessidade de emissão de títulos para financiar despesas. Autor da proposta, o deputado Mauro Benevides (PDT-CE), diz que o projeto teve apoio unânime na reunião de líderes, e que deixou no PL uma brecha para que o dinheiro também sirva para abater dívida.

Já no Senado, a expectativa do governo se volta para o projeto de autonomia do Banco Central e da proposta que cria uma alternativa para as operações compromissadas com depósitos voluntários remunerados. Isso aliviaria a dívida pública.

Sem fundos

Enquanto isso, a PEC dos fundos, encaminhada pelo governo ao Congresso em 2019 como parte do chamado Pacto Federativo, está parada. A proposta extingue uma série de fundos públicos como parte de um esforço para dar mais flexibilidade ao orçamento. Relator da PEC, o senador Otto Alencar (PSD-BA), afirma que a proposta não entrou na linha de prioridades do governo no pós-pandemia e que é altamente improvável que ela seja votada em 2020.

MDIC na mesa

De olho em cargos em troca de apoio à agenda econômica do governo no Congresso, o centrão tenta convencer o presidente Jair Bolsonaro a tirar do ministro da Economia, Paulo Guedes, a Secretaria Especial de Comércio Exterior para transformá-la no antigo Ministério do Desenvolvimento. Guedes, no entanto, não tem a menor intenção de ceder o espaço, afirma um integrante da equipe econômica. Se for para abrir mão de alguma área, faria mais sentido ceder a Secretaria de Previdência Social, disse a fonte, uma vez que o governo já venceu a etapa da reforma do regime de aposentadorias.

Netflix no STF

A segunda turma do Supremo Tribunal Federal (STF) pautou para a próxima terça-feira, dia 3, ação envolvendo a plataforma de streaming Netflix e o especial de Natal do grupo Porta dos Fundos, no qual Jesus Cristo é retratado como homossexual. Após a exibição do programa, o Centro Dom Bosco de Fé e Cultura pediu a sua suspensão, além de uma indenização milionária por danos morais coletivos e ofensa à honra e à dignidade dos católicos brasileiros. O julgamento foi marcado antes da posse do novo ministro da corte, Kassio Nunes Marques, que acontece na quinta-feira, dia 5. A escolha do católico Marques desagradou a apoiadores de Bolsonaro, que prometera indicar de um ministro “terrivelmente evangélico” para o STF.

Tweet da semana

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos