Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.259,49
    -831,59 (-0,64%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.579,10
    -329,08 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,57
    -0,58 (-0,80%)
     
  • OURO

    1.812,80
    -48,60 (-2,61%)
     
  • BTC-USD

    38.715,84
    -1.412,58 (-3,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    961,10
    -31,37 (-3,16%)
     
  • S&P500

    4.223,70
    -22,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.033,67
    -265,66 (-0,77%)
     
  • FTSE

    7.184,95
    +12,47 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    28.436,84
    -201,69 (-0,70%)
     
  • NIKKEI

    29.291,01
    -150,29 (-0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.932,25
    -49,00 (-0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0734
    -0,0445 (-0,73%)
     

Brasília em Off: CPI da Covid preocupa Guedes

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O ministro da Economia, Paulo Guedes, está preocupado com os efeitos da CPI da Covid no andamento da agenda de reformas no Senado. Para ele, o presidente da casa, Rodrigo Pacheco, corre o risco de ser capturado pelas brigas dentro da comissão, o que acabaria roubando três meses do debate econômico.

Enquanto isso, o comandante da Câmara, Arthur Lira, está aproveitando para deslanchar as reformas administrativa, tributária e as privatizações da Eletrobras e dos Correios. O importante agora, segundo um interlocutor do ministro, é tentar tirar Pacheco do olho do furacão e fazer com que ele se dedique à agenda antes que a janela para a aprovação das propostas se feche com a começo da corrida eleitoral de 2022.

Protagonismo

A CPI pode até atrapalhar, mas o próprio Pacheco não tem nenhuma intenção de ser ofuscado por Lira. Como o Ministério da Economia decidiu começar pela Câmara a parte da reforma tributária que trata de impostos sobre renda e consumo (tudo o que inclui PIS/Cofins, IR e IPI), o Senado ficará com a criação de um programa de renegociação de dívidas tributárias. Assim, a Câmara terá a parte mais árida da reforma e o Senado o filé.

Pacheco, aliás, tem um projeto sobre renegociação já tramitando e vai dar a relatoria para o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE).

Eletrobras

O relator da MP que abre caminho para a privatização da Eletrobras, deputado Elmar Nascimento (DEM-BA), tem reclamado a interlocutores que a falta de acordo para definir um texto se deve a um bate cabeça dentro do próprio governo. As pastas da Economia e de Minas e Energia não estariam dando orientações claras. Enquanto a Economia defende usar o superávit financeiro de Itaipu para abater a dívida pública, Minas e Energia quer que o valor sirva para reduzir as contas de luz. Para o deputado, arbitrar entre as duas pastas está mais difícil do que lidar com resistências de parlamentares ao projeto.

Parecer da Eletrobras muda para ampliar apoio: Radar Político

Timing

Lira tem dito a líderes que a reforma administrativa pode ser aprovada na Câmara até agosto. O texto poderia sair da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) já na semana que vem para começar a ser discutido na comissão especial, que será presidida pelo deputado Fernando Monteiro (PP-PE) e tem instalação prevista para o dia 25 de maio. Já a discussão da reforma tributária poderia se estender até outubro.

Reeleição

Guedes tem dito a interlocutores que um dos maiores problemas do Brasil é o instrumento da reeleição, que, segundo ele, atrapalha o andamento da agenda econômica, pois rouba a atenção da classe política e reduz a janela de aprovação de reformas importantes para o país. Quanto toca no tema, o ministro cita o governador do Rio, Cláudio Castro, que só assumiu o cargo porque Wilson Witzel foi cassado e agora quer se reeleger. Guedes, porém, evita tocar no nome do Presidente Jair Bolsonaro, que é um dos maiores interessados na ideia de ficar mais tempo no cargo.

Orçamento

O senador Eduardo Gomes (MDB-TO), líder do governo no Congresso, diz que o PLN 4, que restabelece R$ 20 bilhões em despesas obrigatórias no Orçamento de 2021 e do qual é relator, será votado sem alterações. Gomes estava disposto a recompor um valor menor para dar espaço a investimentos de ministérios que têm pressionado o Planalto por mais verbas. No entanto, um temor de que a medida provocasse mal-estar no mercado e aumentasse as incertezas em relação ao fiscal mudaram a estratégia. Segundo o senador, mudanças podem ser feitas no Orçamento, mas só futuramente.

A votação do PLN4 pode ser feita junto dos vetos que Bolsonaro fez no Orçamento de 2021 para equilibrar as contas do ano. A lei orçamentária foi sancionada no dia 22 de abril com vetos que precisam ser apreciados pelos parlamentares. O Congresso tem prazo de 30 dias para apreciar um veto presidencial.

Tweets da semana

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.