Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.536,66
    +1.150,86 (+3,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Braga Netto e Lira desmentem reportagem sobre ameaça às eleições

·1 minuto de leitura
Ministro Braga Netto

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Defesa, Walter Braga Netto, e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), desmentiram reportagem publicada nesta quinta-feira pelo jornal O Estado de S. Paulo que afirmou que o titular da Defesa ameaçou o presidente da Câmara com a não realização de eleições ano que vem caso a Casa não aprove o voto impresso.

De acordo com a reportagem do jornal, a ameaça teria sido enviada a Lira por Braga Netto por meio de um "importante interlocutor político" e teria levado o presidente da Câmara a alertar o presidente Jair Bolsonaro de que não participaria de um movimento de ruptura institucional.

Ao chegar nesta manhã ao Ministério da Defesa, Braga Netto foi indagado sobre a reportagem por jornalistas e limitou-se a responder: "mentira, invenção".

Lira, por sua vez, foi questionado sobre a reportagem pela Reuters e respondeu em uma mensagem de texto: "mentira".

Bolsonaro tem afirmado, sem apresentar provas, que o sistema de urna eletrônica --pelo qual se elegeu não só presidente, mas vereador e deputado federal por várias vezes-- é sujeito a fraude.

O presidente afirma que as eleições de 2018 foram fraudadas e que ele as teria vencido no primeiro turno. Chegou a afirmar que apresentaria provas da alegada fraude e foi provocado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para que o fizesse, o que não fez até agora. Recentemente disse que apresentará evidências de que a eleição de 2014 também teria sido fraudada.

Ao contrário do que afirma Bolsonaro, o sistema eletrônico de votação é auditável e, desde a implementação da urna eletrônica em 1996, nunca foi comprovada uma fraude realizada em todas as eleições feitas desde então.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos