Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.011,80
    +93,52 (+0,18%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,72
    +0,67 (+0,93%)
     
  • OURO

    1.784,40
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    50.692,06
    -24,28 (-0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.320,28
    +15,16 (+1,16%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.860,62
    +405,02 (+1,42%)
     
  • NASDAQ

    16.380,00
    +62,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2753
    -0,0644 (-1,02%)
     

Bradesco supera estimativas com aceleração do crédito e menores provisões

·1 min de leitura
Presidente-executivo do Bradesco, Octavio de Lazari.

SÃO PAULO (Reuters) - O Bradesco divulgou nesta quinta-feira lucro do terceiro trimestre pouco acima das expectativas dos analistas e elevou as projeções para crédito e receita de tarifas para 2021.

O lucro recorrente, que exclui itens extraordinários, cresceu 34,5% sobre um ano antes, para 6,767 bilhões de reais, acima da estimativa média de 6,469 bilhões de reais compilada pela Refinitiv.

O Bradesco previu que sua carteira de crédito crescerá entre 14,5% e 16,5% neste ano, ante projeção anterior de 9% a 13%. As receitas de tarifas devem crescer de 2% a 6%, disse o banco, ante projeção anterior de alta de 1% a 5%.

O presidente-executivo do banco, Octavio de Lazari, disse que a mudança refletem a volta das operações para os níveis anteriores à pandemia.

"Apesar de algumas incertezas, quando olhamos no retrovisor, vemos que a pandemia ficou para trás", afirmou no relatório.

A carteira de crédito do Bradesco cresceu 16,4% em relação ao ano anterior e 6,5% no trimestre, impulsionada pelos cartões de crédito, crédito imobiliário e segmento corporativo.

A receita líquida com juros, uma medida dos ganhos com empréstimos menos custos com captação, aumentou 2,7% em relação ao ano anterior, para 15,7 bilhões de reais, apesar dos menores ganhos da tesouraria.

O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE), indicador da rentabilidade dos bancos, cresceu um ponto percentual em relação ao trimestre anterior, para 18,6%.

O lucro do banco também foi ajudado por menores provisões para perdas com empréstimos, que caíram 39,9% em relação ao ano anterior, uma vez que o aumento esperado da inadimplência devido à crise provocada pela pandemia não se concretizaram.

O índice de inadimplência acima de 90 dias ficou quase estável, em 2,6%.

(Por Carolina Mandl)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos