Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,47 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,20 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,52
    -0,19 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.783,10
    -22,40 (-1,24%)
     
  • BTC-USD

    18.053,12
    +285,07 (+1,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,87 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,28 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,41 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.273,25
    +121,00 (+1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3922
    +0,0523 (+0,82%)
     

Bradesco Seguros prevê que sinistros crescerão mais rápido que receitas no pós-pandemia

Flávia Furlan e Talita Moreira
·2 minuto de leitura

Para o presidente da seguradora, as receitas de prêmios vão voltar a crescer "de escada", enquanto os sinistros subirão "de elevador" Ana Paula Paiva/Valor A Bradesco Seguros espera que as receitas voltem a crescer nos próximos trimestres, mas em um ritmo menor do que a quantidade de sinistros, informou a analistas hoje o presidente da seguradora, Vinicius Albernaz. “É provável que as receitas de prêmios e contribuições vão voltar a crescer de escada, enquanto os sinistros subirão de elevador”, afirmou o executivo em teleconferência. “Por isso, prudencialmente falando, faz sentido construir provisões.” A seguradora do banco teve lucro líquido de R$ 2,519 bilhões no primeiro semestre do ano, uma queda anual de 30,9%. A representatividade no lucro do banco passou de 29% para 33% no período. As receitas somaram R$ 3,778 bilhões no segundo trimestre, em relação a R$ 2,931 bilhões no trimestre anterior. “De fato, tivemos um resultado operacional de seguros forte no segundo trimestre, que veio de condição atípica de queda de sinistralidade de saúde e automóvel pelo afastamento social”, explicou Albernaz. O índice de sinistralidade foi de 62,4% no segundo trimestre - desconsiderando a provisão adicional -, em relação a 72,9% nos três meses anteriores e 72,5% no mesmo período do ano passado, como reflexo do fato de as pessoas terem reduzido procedimentos médicos e o tempo dirigindo. No primeiro semestre, a seguradora formou provisões de R$ 1,1 bilhão, embora com resultado operacional forte, exatamente porque espera uma retomada da sinistralidade e um cenário econômico mais desafiador, segundo disse o executivo. “Entendemos que mais para frente devemos ver incremento da sinistralidade que pode vir associado a algum tipo de piora de indicadores sociais, o que tem efeito na frequência de roubo e furto, por exemplo.” Na carteira específica de vida, a companhia já percebe aumento da sinistralidade, associado à pandemia e que não estavam precificados.