Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.811,40
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.980,66
    +30,79 (+0,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Bradesco prevê sair de 'tempestade perfeita' ao longo de 2023

SÃO PAULO (Reuters) - O Bradesco deve levar alguns trimestres para superar o cenário atual de piora nos índices de inadimplência, menor crescimento do crédito e resultados fracos na tesouraria, sinalizou nesta quarta-feira o presidente-executivo do banco.

"O lucro do Bradesco deve seguir pressionado por alguns trimestres", disse Octavio de Lazari Junior, em conferência com jornalistas sobre os resultados do terceiro trimestre surpreendentemente fracos.

O executivo afirmou que a carteira de crédito do banco deve fechar 2022 na parte inferior da projeção de crescimento de 10% a 14%, o que indica desaceleração nesta reta final do ano, já que a expansão até setembro foi de 13,6% em 12 meses.

Lazari disse também esperar que o índice de inadimplência siga pressionado por alguns trimestres, começando a melhorar na segunda metade de 2023.

O presidente do Bradesco comentou que, em geral, períodos de piora na inadimplência são compensados por melhores resultados na tesouraria.

Mas desta vez, com o breve período de deflação, títulos detidos pelo banco atrelados ao IPCA afetaram a margem com o mercado, que teve uma perda superior a 1 bilhão de reais no trimestre. Além disso, houve impacto também no resultado financeiro do braço de seguros do grupo.

"Tivemos uma tempestade perfeita", disse Lazari.

Refletindo a frustração do resultado trimestral divulgado na noite da véspera, muito abaixo da expectativa média do mercado, a ação preferencial do Bradesco desabava 9,3% na B3 às 10h33, enquanto o Ibovespa cedia 0,5%.

(Por Aluísio Alves)