Mercado abrirá em 5 h 12 min
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,01 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,49 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,46
    -0,67 (-1,26%)
     
  • OURO

    1.860,20
    -5,70 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    31.697,79
    +1.130,07 (+3,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    624,82
    +14,83 (+2,43%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,39 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.514,11
    -413,65 (-1,38%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.352,00
    -43,50 (-0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5080
    -0,0004 (-0,01%)
     

BR Partners pede aval para IPO, vai lançar plataforma digital de investimentos

Por Aluisio Alves
·1 minuto de leitura

Por Aluisio Alves

(Reuters) - O banco de investimentos BR Partners pediu registro para uma oferta inicial de units (IPO, na sigla em inglês), apostando que a desintermediação financeira se aprofundará no Brasil, o que permitirá expandir seu negócio, inclusive com o lançamento de uma plataforma digital de investimentos.

O grupo criado em 2009 como uma boutique de assessoria para fusões e aquisições fará uma oferta apenas primária, papéis novos, cujos recursos vão para o caixa.

Segundo o prospecto preliminar da oferta, os recursos a serem captados com a oferta serão usados fortalecer a estrutura de capital e expandir a oferta de crédito.

Presidido pelo empresário Ricardo Lacerda, o BR Partners opera como banco de investimentos desde 2013. Entre as operações mais recentes das quais participou como coordenador está a assessoria ao grupo francês Casino na reestruturação dos negócios na América Latina incluindo a compra da Éxito pelo GPA.

Com apenas 94 funcionários, o grupo teve lucro líquido de 45,4 milhões de reais no primeiro semestre, alta de 36% ante mesma etapa de 2019, com salto de 42,7% na receita com prestação de serviços. Também no comparativo anual, a rentabilidade sobre o patrimônio subiu 8 pontos percentuais, para 30,4%.

O BR Partners afirma no documento que, com as taxas de juros em mínimas históricas no Brasil e liquidez elevada em mercados globais, o mercado de fusões e de crédito estruturado e mercado de capitais devem ter períodos prolongados de crescimento.

O IPO será coordenado por BTG Pactual, Bank of America, Credit Suisse e Itaú BBA. O BR Partners pretende listar suas units -cada uma representando uma ação ordinária e duas preferenciais- no nível 2 de governança da B3.