Mercado fechado

BR Distribuidora: Moody’s atribui rating Ba1 em primeira avaliação

Giovanna Almeida
BR Distribuidora: Moody’s atribui rating Ba1 em primeira avaliação

A agência de classificação de risco Moody's atribuiu os ratings Ba1 e Aaa para a BR Distribuidora (BRDT3), indicando perspectiva estável. Esta é a primeira avaliação que a agência faz sobre a empresa.

A nota recebida pela BR Distribuidora está um nível acima do rating dos títulos do governo brasileiro, que é Ba2. A Moody's informou que a avaliação reflete o perfil competitivo da empresa como a maior distribuidora de combustíveis do País em termos de volumes vendidos, tamanho da rede
de postos e maior quantidade de ativos logísticos.

A agência salientou que o rating envolve também as melhoras na governança corporativa da empresa desde a privatização. Além disso, a classificação engloba os ganhos em rentabilidade que estão previstos para os próximos anos no plano de aumento de eficiência da BR.

A Moody's prevê ainda que a empresa terá melhora na rentabilidade em 2020 e 2021 por conta do plano de aumento de eficiência. A agência acredita que a empresa continuará liderando o segmento de distribuição por meio de políticas financeiras prudentes e perfis adequados de liquidez e alavancagem financeira.

"Esse resultado é um fator importante para a administração dos passivos e para o adequado financiamento das operações e do potencial crescimento da Companhia.", destaca o fato relevante publicado pela distribuidora.

Nova oferta de ações da BR Distribuidora

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, disse, em dezembro, que a empresa pretende realizar uma nova oferta subsequente de ações (follow-on) da BR Distribuidora.

Saiba mais: Petrobras fará nova oferta de ações da BR Distribuidora, diz Castello Branco

Castello Branco salientou que a estatal está trabalhando 'desde já' para a realização do follow-on. Segundo o executivo, a petrolífera está esperando o momento mais adequado para concluir a operação.

Apesar de não mencionar uma data específica, o presidente da estatal salientou que haverá espaço para realizar a venda das ações em 2020. "Haverá, sem dúvida. Faremos", disse Castello Branco quando questionado sobre uma possível oferta dos papéis da BR Distribuidora neste ano.