Bovespa tem leve alta de 0,16% em dia de volatilidade

A fragilidade dos negócios em Nova York, onde os principais índices de ações registravam ganhos moderados, também se espelhou Bolsa brasileira. O Ibovespa fechou nesta quinta-feira em leve alta de 0,16%, aos 61.678,31 pontos, após ter ficado entre o território positivo e o negativo em momentos diferentes da sessão. Mais do que de uma tendência única, o Ibovespa ficou à mercê de empresas específicas e dos investidores estrangeiros, que atuaram tanto na compra quanto na venda de papéis.

"O mercado está muito fraco. O sentimento do início de ano é ruim, em função das ameaças de um possível racionamento de energia, o que prejudica a Bovespa. Além disso, há dúvidas sobre o crescimento do País em 2013", comentou um operador. "Hoje, a Hering também caiu muito. Ela não tem tanto peso no Ibovespa, mas acaba prejudicando a Bolsa", acrescentou outro profissional.

Pedro Galdi, estrategista da SLW, citou as baixas no setor bancário e, por outro lado, os ganhos da OGX e das companhias do setor elétrico. "A Bovespa ficou muito vinculada ao índice Dow Jones, que também não estava tão bem", destacou.

Ao longo do dia, o Ibovespa à vista atingiu a máxima de 61.947 pontos (+0,60%) e a mínima de 61.156 pontos (-0,69%). O giro financeiro foi de R$ 7,7 bilhões. Um operador comentou que a mínima da sessão esteve associada à atuação de grandes investidores estrangeiros na ponta da venda. À tarde, um grande banco estrangeiro entrou com força no mercado comprando ações, o que fez o Ibovespa passar para o território positivo.

"Neste início de ano, havia estrangeiros na compra, mesmo com a Bolsa registrando perdas. Os 'gringos' estão com fluxo bom em janeiro, como normalmente ocorre. Hoje apareceu estrangeiro vendendo, o que não deixou o Ibovespa andar, mas depois um banco estrangeiro entrou na ponta da compra", comentou o profissional, que prefere não se identificar.

Dados da BM&FBovespa comprovam a entrada de recursos externos na Bovespa. Em janeiro, até o dia 8, os estrangeiros injetaram R$ 2,013 bilhões líquidos na Bolsa, resultado de compras de R$ 16,292 bilhões e vendas de R$ 14,278 bilhões. Na terça-feira (08), mesmo quando o Ibovespa recuou 1,30%, os estrangeiros ingressaram com R$ 313,183 milhões.

As ações ON da Hering desabaram 11,92% e foram o destaque de baixa da carteira do Ibovespa. A companhia, que possui peso de apenas 1,062% no índice, anunciou crescimento de 10,7% em sua receita bruta total no quarto trimestre de 2012, ante o mesmo período do ano anterior, e alta de 14,8% nas vendas totais da rede Hering Store no período. No conceito "mesmas lojas" (unidades com mais de um ano), houve queda de 0,2%.

Apesar disso, o presidente da companhia, Fabio Hering, afirmou que as vendas não alcançaram o desempenho esperado pela empresa devido a problemas de abastecimento da rede de lojas. "A falta de abastecimento e, principalmente, o abastecimento tardio prejudicaram as vendas de Natal", afirmou o executivo.

No setor financeiro, Banco do Brasil ON recuou 1,50%, Bradesco PN teve baixa de 1,32% e Itaú Unibanco PN caiu 1,27%. Na contramão, as units do Santander tiveram ganhos de 5,06%, em meio à avaliação de que o banco espanhol pode vir a vender seus ativos no Brasil, a exemplo do que tem feito em outros países. OGX ON avançou 3,53%.

No setor elétrico, houve continuidade da recomposição das perdas mais recentes: Eletrobras ON subiu 0,30%, Eletrobras PNB teve alta de 1,78%, Cemig PN avançou 1,70%, CPFL Energia ON teve ganho de 0,92%, Copel PNB avançou 2,01%, Light ON subiu 0,10% e Cesp PNB teve elevação de 3,17%.

Carregando...