Bovespa sobe amparada por notícias externas positivas

A Bovespa encerrou com alta firme a primeira sessão do ano, após o acordo nos Estados Unidos para evitar o abismo fiscal e indicadores industriais bons na China, na Europa e nos EUA. A Câmara dos Representantes (deputados) dos Estados Unidos aprovou na madrugada desta quarta-feira, pelo horário de Brasília, o acordo para evitar o abismo fiscal que havia passado pelo Senado na noite de ano-novo. A Câmara dos Representantes aprovou um projeto de lei que eleva o imposto para quem tem renda acima de US$ 450 mil por ano, estende isenções fiscais para empresas e pessoas físicas e adia por dois meses alguns cortes de gastos previstos.

Além disso, o índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial na China permaneceu em 50,6 em dezembro, a mesma leitura de novembro, informou ontem a Federação Chinesa de Logística e Compras (CFLP). Na França, na Itália e no Reino Unido, o PMI também subiu em dezembro. Nos EUA, o PMI industrial subiu para 54,0 em dezembro, de 52,8 em novembro, segundo dados finais da Markit. Já o índice medido pelo Instituto para Gestão de Oferta (ISM, em inglês) subiu para 50,7 em dezembro, de 49,5 em novembro.

O índice Ibovespa fechou em alta de 2,62%, aos 62.550,10 pontos, depois de atingir máxima de 62.887 pontos (+3,17%). O volume financeiro ficou em R$ 7,32 bilhões. Às 17h50 (horário de Brasília), o Dow Jones subia 1,68%, o S&P 500 ganhava 1,79% e o Nasdaq avançava 2,36%.

De acordo com Pedro Galdi, analista de investimentos da SLW Corretora, o acordo de ajuste fiscal nos EUA e os indicadores industriais positivos animaram os mercados e isso se refletiu diretamente numa alta generalizada das commodities. "Por isso nossa bolsa está com alta tão forte", disse. "Além disso, o mercado aqui está um pouco descolado, atrasado em relação a outras bolsas, e isso pode atrair estrangeiros. Em comparação com a bolsa dos EUA, a Bovespa foi um pouco melhor no ano passado, mas em relação a outros mercados, o desempenho foi muito ruim."

Com a alta das commodities, as duas empresas de maior peso no Ibovespa subiram com força. Vale PNA avançou 4,23%, enquanto a ON teve elevação de 4,30%. Petrobras ON, a preferida dos investidores estrangeiros, fechou com ganho de 1,48% e a PN, de 0,87%.

As siderúrgicas também foram impulsionadas pelo ambiente mais positivo, com algumas encerrando entre as maiores altas do índice. Usiminas ON avançou 7,02% e CSN ON ganhou 6,41%. Gerdau subiu 5,24%, Gerdau Metalúrgica fechou em alta de 3,93% e Usiminas PNA, de 3,52%.

cotações recentes

 
Cotações recentes
Símbolo Preço Variação % Var 
Seus tickers vistos mais recentemente aparecerão aqui automaticamente se você digitou um ticker no campo "Inserir símbolo/empresa" na parte inferior deste módulo.
É necessário permitir os cookies do seu navegador para ver as cotações mais recentes.
 
Entre para ver as cotações nos seus portfólios.

Resumo do Mercado

  • Moedas
    Moedas
    NomePreçoVariação% Variação
    3,10830,000,00%
    USDBRL=X
    3,2936+0,003+0,09%
    EURBRL=X
    0,9432-0,0012-0,13%
    USDEUR=X
  • Commodities
    Commodities
    NomePreçoVariação% Variação

Destaques do Mercado

  • Líderes em Volume
    Líderes em Volume
    NomePreçoVariação% Variação
    31,51-0,14-0,44%
    VALE5.SA
    15,18-0,38-2,44%
    PETR4.SA
    4,93-0,10-1,99%
    USIM5.SA
    5,86+0,15+2,63%
    GOAU4.SA
    16,40-0,52-3,07%
    LAME4.SA
  • Altas %
    Altas %
    NomePreçoVariação% Variação
    10,89+1,29+13,44%
    TEKA4.SA
    4,18+0,45+12,06%
    BEES4.SA
    4,24+0,43+11,29%
    LFFE3.SA
    7,41+0,71+10,60%
    CRPG5.SA
    28,00+2,60+10,24%
    BRSR3.SA
  • Baixas %
    Baixas %
    NomePreçoVariação% Variação
    16,01-3,99-19,95%
    ITEC3.SA
    1,14-0,25-17,99%
    IGBR3.SA
    0,69-0,11-13,75%
    BBTG12.SA
    29,00-4,00-12,12%
    CEED3.SA
    3,33-0,45-11,90%
    CEDO4.SA